Startup promete devolver parte do dinheiro nas compras feitas com Mastercard

Startup promete devolver parte do dinheiro nas compras feitas com Mastercard

Por: Mariane Rocigno 11.691 views

Conheça a empresa de cashback que já restituiu R$ 2 milhões aos seus usuários, em cinco meses de atuação

cashback_cm

O conceito de cashback, que tem a proposta de devolver aos consumidores parte do dinheiro gasto em compras, chegou a uma grande empresa de tecnologia com foco em meios de pagamento: a Mastercard.

A gigante fechou parceria com a Beblue, startup de cashback, com o objetivo de facilitar o acúmulo de valores dos consumidores nos estabelecimentos parceiros do programa, que funciona da seguinte maneira: o consumidor baixa o aplicativo Beblue, disponível para Android e IOS, e cria uma conta cadastrando o seu CPF, gratuitamente. A partir daí todas as vezes que ele utilizar seu cartão de débito ou crédito, nos estabelecimentos conveniados, ele receberá no mesmo instante o cashback (retorno de um percentual do valor pago) que será depositado em sua conta Beblue.

De acordo com Daniel Gava, cofundador e CFO da startup, o valor se acumula e não tem prazo de validade. “Não é possível resgatar o valor em dinheiro, em conta bancária, mas o consumidor pode utilizá-lo para novas compras nos estabelecimentos da rede credenciada”, explica. “Para isso, é só o usuário digitar o CPF cadastrado e a senha para resgate”, completa Gava. Além disso, o consumidor pode passar seus créditos para um amigo que também tenha cadastro no app. O executivo explica ainda, que o consumidor pode identificar os estabelecimentos participantes por meio do próprio aplicativo e pela comunicação visual instalada nos estabelecimentos, como totens, adesivos, displays, etc.

Segundo Alexandre Brito, vice-presidente de Desenvolvimento de Aceitação, Varejo e Novos Negócios da Mastercard Brasil e Cone Sul, o objetivo da empresa é levar comodidade e uma boa experiência de compra para o consumidor onde quer que ele esteja. “Por meio da tecnologia Mastercard, o consumidor poderá realizar sua compra de forma simples porque o programa não interfere na forma de pagamento, o consumidor só precisa informar seu CPF, economizando tempo”, afirma Brito.

Em cinco meses de operação, o app já restituiu R$ 2 milhões aos seus usuários e projeta movimentar, em dezembro, mais de R$ 60 milhões por meio de sua plataforma. São realizadas, atualmente, em média, seis mil pagamentos por dia na plataforma. A partir do próximo ano, a startup deve iniciar um plano de forte expansão que atingirá 60 novas cidades, principalmente nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Paraná.