O mundo é mesmo tão tolerante quanto acha que é?

O mundo é mesmo tão tolerante quanto acha que é?

Por: Laura Navajas 933 views

Pesquisa Ipsos revela as distorções entre percepção e realidade do mundo em 40 países. Brasil é o sexto em ranking “Índice da Ignorância”

Você acha que o brasileiro é tolerante? Ou feliz? Você se considera intolerante? E feliz? Mais ainda, o que as suas ações revelam sobre sua tolerância? Ou sobre a felicidade? Justamente na diferença entre o pensar que é e o ser de fato é que estão os resultados da pesquisa “Os Perigos da Percepção”, da Ipsos. Realizado em 40 países o estudo mostrou que o Brasil está em sexto lugar no ranking “Índice da Ignorância”, ou seja: tem uma percepção bastante distorcida da realidade.

Para formular o ranking, a Ipsos considerou a diferença entre as respostas fornecidas pelos entrevistados do estudo (percepções) e os dados oficiais de cada país (realidade). Quanto maior a diferença entre percepção e realidade, pior é a classificação do país. Todas as questões têm o mesmo peso.

Os piores lugares ficaram para Índia (1º), China (2º), Taiwan (3º), África do Sul (4º) e EUA (5º), com o Brasil em 6º. Holanda, Grã-Bretanha, Coreia do Sul, República Tcheca e Malásia, respectivamente, estão em outro extremo, com as opiniões mais precisas sobre os dados de seus países.

Pós-verdade

A pesquisa revela que há problemas sérios com percepções erradas em vários países. Por exemplo, todos os países pensam que sua população é menos feliz do que afirma ser. A maioria dos países aceita melhor homossexualidade, aborto e sexo antes do casamento do que imaginam. Em relação à desigualdade social, eles acham que as riquezas são menos concentradas do que realmente são.

“Uma leitura geral da pesquisa mostra um mundo (e particularmente o ocidental) mais cheio de medo e intolerância do que é justificado pelas realidades. É muito 2016. A pesquisa também reforça o porquê de “pós-verdade” ser a palavra do ano. A pós-verdade é definida por Oxford Dictionaries como circunstâncias em que fatos objetivos são menos influentes na formação da opinião pública do que apelos à emoção e crença pessoal. E esta é exatamente a explicação para muitos dos padrões que vemos em nosso estudo”, analisa Bobby Duffy, diretor da Ipsos Mori, unidade da Ipsos no Reino Unido e responsável pelo levantamento “Perigos da Percepção”.

Mundo

Para chegar aos resultados apresentados, foram entrevistadas 27,5 mil pessoas, entre 22 de setembro e 6 de novembro, em 40 países.

Muçulmanos – Na França, os entrevistados acham que 31% da população é muçulmana, quando é apenas 7,5%. E os franceses pensam que 40% de sua população será muçulmana até 2020, quando as estimativas indicam que será cerca de 8,3%.

Distribuição de renda – Este também foi um tema que mostrou grande divergência entre percepção e realidade. Na Índia, os respondentes pensam que 70% dos mais pobres possuem 39% da riqueza nacional, quando, na verdade, possuem apenas 10%. Os americanos acham que os 70% mais pobres possuem 28% da riqueza do país, quando é, na realidade, ainda menor do que a Índia, com apenas 7%.

Felicidade e tolerância – A pesquisa mostrou que as pessoas pensam que a população de seus países é mais infeliz e intolerante à diferença do que realmente relata ser. Em média, os entrevistados responderam que apenas 40% dos brasileiros estão felizes, mas o número correto é 92%. Em todos os países, o resultado foi discrepante. A maior diferença foi na Coreia do Sul, onde os respondentes pensam que 24% é feliz, quando o número é 90%. A menor, no Canadá, onde pensam que 60% da população é feliz, quando, na verdade, 87% se declaram felizes.

Brasil

Nosso sexto lugar no tal ranking da ignorância se justifica. Quando o assunto é distribuição de renda, por exemplo, os brasileiros acham que os 70% mais pobres possuem 24% da riqueza do país, mas na realidade só possuem 9%. No quesito felicidade, os entrevistados responderam que apenas 40% dos brasileiros estão felizes, mas o número correto é 92%.

Os brasileiros também superestimam o número de pessoas no país que acham a homossexualidade moralmente inaceitável (51%), quando muitos menos pensam assim (39%). Na Indonésia, país mais intolerante ao tema, o número é subestimado: pensam que o número é 79%, mas na verdade é 93%.

Da mesma forma, os brasileiros superestimam a preocupação com o sexo antes do casamento no Brasil. Não casar virgem é considerado moralmente inaceitável por 35% da população, mas os entrevistados pensam que esse número é 43%.

Já em relação ao aborto, acontece o fenômeno oposto: os brasileiros que responderam à pesquisa pensam que 61% consideram a interrupção da gravidez inaceitável, mas na realidade o número é 79%.

Para se ter uma ideia, até mesmo quando o assunto é religião a percepção não é correta. Os entrevistados brasileiros acham que o país tem uma população mulçumana muito maior do que realmente tem. Atualmente, menos de 0,01% da população no país segue a religião de Alah, mas a percepção é de que são 12%.

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.