Preocupação com as dívidas está afetando a saúde mental dos brasileiros

Preocupação com as dívidas está afetando a saúde mental dos brasileiros

Por: Mariana Lima 1.003 views

Pesquisa aponta que as dívidas dos consumidores causam sintomas físicos e mentais. Os problemas variam de má qualidade do sono até excesso de álcool. Veja

As dívidas estão impactando a saúde mental dos brasileiros. É o que diz o levantamento da SPC Brasil em parceria com a CNDL ao apontar que 69% dos inadimplentes sofrem de ansiedade por não conseguir honrar suas dívidas.

Outros problemas físicos e mentais também são constatados. Entre eles forte sentimento de insegurança (65%), angústia (61%), desânimo (58%), sentimento de culpa (57%) e baixa autoestima (56%).

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

No âmbito social, as dívidas também atrapalham as interações. Isso porque o mesmo estudo aponta que mais da metade (51%) dos brasileiros que não conseguem pagar suas dívidas se sente envergonhada perante a família e amigos por conta da situação.

Reações

A falta de dinheiro para pagar as contas atrapalha a produtividade de pelo menos um quarto dos inadimplentes (25%), já 21% disseram que se tornam pessoas mais impacientes e irritadas com os colegas de trabalho.

A situação chega a interferir nas relações familiares e de trabalho. Entre os entrevistados, 18% disseram que já agrediram verbalmente pessoas próximas da família e amigos devido a impaciência com a própria situação financeira e 14% já chegaram a agredir pessoas fisicamente pelo mesmo motivo. No ano passado, as duas opções ficavam em 13% e 8% respectivamente.

O levantamento indica ainda que o maior temor dos inadimplentes em relação as suas dívidas é não conseguir honrá-las (36%), seguido de ser considerado desonesto por isso (11%), ter dificuldade em parcelar suas compras (9%), não conseguir emprego (9%) e não pode mais fazer empréstimos (7%).

Os vícios também são um problema entre os inadimplentes. Dois em cada dez brasileiros nessa situação disseram que costumam descontar a ansiedade em cigarro, comida e álcool.

Dica

Apesar da situação delicada, a orientação de especialistas é manter a calma para conseguir resolver os problemas.

“A postura emocional do devedor revela muito sobre como ele vai lidar com a reorganização das finanças. Quem se desespera no momento de dificuldade, multiplica os seus problemas. Um consumidor desorientado, ansioso e sem motivação dificilmente vai ter energia para traçar uma saída. Os primeiros passos nessas horas são manter a calma, buscar racionalidade e contar com a compreensão da família. Ou até mesmo recorrer a um profissional especializado”, diz José Vignoli, educador financeiro do SPC Brasil.

Carregando...

Carregando... por favor, aguarde.