Matriz da Realização: o que poucos sabem sobre a fórmula do sucesso

“Foi aí que eu percebi que, em termos de realização na vida, existem quatro tipos de pessoas. Foi assim que eu criei a Matriz da Realização”

Por: - 6 meses atrás

Aos 23 anos, mesmo depois da faculdade e um MBA na FGV, eu recebia só 500 reais para fazer o que eu fazia – e mal dava para pagar minhas contas. Eu já tinha tentado minha vida como profissional liberal, vendedora no marketing multinível, participação em eventos, mas nada dava muito certo. Eu estava cada vez mais infeliz e frustrada – algo muito diferente do que eu sonhava pra minha vida.

Os resultados não vinham – só que eu não entendia o motivo. E isso, para mim, era o mesmo que o fracasso.

Até que, certo dia, em um curso de aperfeiçoamento profissional, um professor passou um vídeo com um texto do Walt Disney. A mensagem foi tão inspiradora e me despertou para algo que iria transformar a minha vida e de milhares de pessoas para sempre.

Confira a edição online da revista Consumidor Moderno!

A mensagem dizia o seguinte:

“E assim, depois de muito esperar, num dia como outro qualquer, decidi triunfar…
Decidi não esperar as oportunidades e, sim, eu mesmo buscá-las.
Decidi ver cada problema como uma oportunidade de encontrar uma solução.
Decidi ver cada deserto como uma possibilidade de encontrar um oásis.”

Esse trecho traduz o primeiro passo por trás do meu sucesso e dos meus alunos. Principalmente essa frase: “Decidi não esperar as oportunidades e, sim, eu mesmo buscá-las.”

Era isso! Eu precisava ser proativa, não esperar as coisas acontecerem e sim assumir a responsabilidade pelo meu sucesso!

Depois de assistir esse vídeo eu despertei para um mundo novo de possibilidades. Um mundo em que eu poderia criar as minhas próprias oportunidades, eu poderia fazer o que eu queria e não o que os outros esperavam de mim… Um mundo em que a realização seria uma consequência natural da minha nova postura diante da vida.

Foi aí que eu percebi que, em termos de realização na vida, existem quatro tipos de pessoas. Foi assim que eu criei a Matriz da Realização.

Embora sentir-se realizado seja algo relativo, muito ligado aos valores de cada pessoa, é fato que esses dois fatores são comuns a quase todos no que diz respeito à realização: quanto tempo se tem e quanto dinheiro se conquista.

Vamos, então, falar sobre cada um dos quadrantes desta matriz.

1. Desmotivado

A pessoa desmotivada é aquela que ainda não conseguiu identificar seu propósito de vida. Por não saber aonde quer chegar, simplesmente sobrevive. Luta todos os dias pela própria sobrevivência e segue a síndrome de Gabriela “eu nasci assim, vou ser sempre assim”. Há também aquela outra linha de pensamento: “Deixe a vida me levar…” Conhece alguém que está neste quadrante?

Por falta de objetivos, metas e sonhos, essas pessoas passam bastante tempo ociosas e com pouco ou quase nada de dinheiro. Em alguns momentos até parecem ser felizes, porque sempre que podem estão com os amigos fazendo algo, mas sempre programas baratos, de preferência na casa de alguém.

Embora tenha esse tempo livre, produz pouco e sente um vazio. Vivem de bicos, mas sem descobrir sua verdadeira paixão! Falta autoconhecimento para os olhos brilharem.

Em geral, a desmotivação paralisa as pessoas e faz com que reclamem com frequência. Reclamam da falta de dinheiro, da crise, do país, dos amigos que não têm tempo para sair…

2. Frustrado

Se você trabalha intensamente mas não aumenta suas rendas e nem seus resultados, com certeza você está no quadrante dos frustrados. Esse era o meu estado aos 23 anos, na história que eu te contei no início deste texto. Trabalhava 15h por dia, mas continuava recebendo o mesmo salário de R$500,00. E quanto mais eu trabalhava, mais frustrada eu ficava. Não só pelo salário, mas por não me destacar na equipe.

Muitas vezes me questionei se estava na área certa. Se aquilo era para mim mesmo.

Nos sentimos no fundo do poço e tudo que queremos é enxergar uma luz no fundo do túnel! Existe vontade, mas o trabalho operacional consome nossa energia a tal ponto que não sobra tempo para atuar no estratégico e aprender com inteligência a ganhar dinheiro.

Se você está neste quadrante, deixe aqui os comentários de quais outros sentimentos surgem nesta fase.

3. Estressado

O grande estereótipo que temos dos empresários de “sucesso” hoje em dia é esse: o de que trabalham tanto que não têm tempo para desfrutar do dinheiro que ganham.

Para eles, há sempre algo para ser feito com urgência. “Tranquilidade” é um termo inexistente em seu vocabulário. São conhecidos como workaholics – são viciados em trabalho, então o equilíbrio da vida pessoal é ignorado!

Vivem com certo conforto e se orgulham de oferecer o melhor para sua família. Justificam, assim, sua ausência nas reuniões em família ou entre amigos. No fundo, sentem falta de passar mais tempo com aqueles que amam.

Essas pessoas até gostariam de ter mais tempo, tanto para investir em novos negócios, como também para ter mais lazer e tempo com a família. Mas têm medo de se ausentar e perder todo o império que construíram. Seja pela necessidade de reconhecimento ou por traumas de infância, querem garantir que se manterão no topo!

Só precisam se conhecer métodos inteligentes e estratégicos de Produtividade para se certificarem que é possível continuar crescendo com qualidade de vida.

4. Realizado

Há quem diga que estes são os unicórnios da Matriz da Realização: pura lenda. Mas eu posso garantir que essas pessoas existem. E esse deve ser seu objetivo.

Os realizados têm tempo para curtir e viajar com amigos e família. Eles conseguem fazer atividade física, ler bons livros, dedicar a algum hobbie, estar presente com a família e ter um sono restaurador. Possuem dinheiro suficiente para viverem confortavelmente e, diante da abundância, possuem condição de ajudar o próximo, seja por meio de ONGs ou doações. Eles descobriram o caminho da prosperidade e cada vez atraem mais oportunidades!

Essas pessoas decifraram a fórmula matemática da produtividade, em que se consegue mais resultado gastando menos energia. Encontraram o equilíbrio que leva à máxima de trabalhar para viver, e não viver para trabalhar. Elas são verdadeiramente felizes!

E você? Qual é o seu perfil na Matriz da Realização?