App como o Tinder usa infos do LinkedIn para parceiros ambiciosos

Cansado de ser julgado em apps de namoro como o Tinder exclusivamente pela sua aparência? Gostarias que as suas realizações na carreira, recomendaçõese sucessos comerciais pudessem ser tão proeminentes como o seu perfil no Facebook?

Pode haver um site de namoro para você – embora suas realizações na carreira precisem passar por um filtro. Acesse o The League, um aplicativo de encontros que tem uma abordagem Tinderesca para combinar seus usuários, mas com um toque especial.

Além de sincronizar perfis do Facebook dos membros, o aplicativo também se conecta com seus perfis do LinkedIn e incorpora dados de geolocalização, assim os usuários podem avaliar instantaneamente um potencial jogo com base no que eles fazem e onde vivem (aparência, é claro, ainda é um fator ).

A adesão é gratuita, mas por US $ 15 por mês os usuários podem pagar por serviço premium do aplicativo, que oferece total privacidade (ninguém pode ver o seu perfil sem a sua permissão).

Após ter levantado 75 mil dólares, o aplicativo apenas para convidados  foi ao ar ontem, em San Francisco. Existem atualmente 1.000 membros, que são capazes de convidar apenas uma pessoa para participar do seleto grupo. Enquanto isso, a lista de espera já tem mais de 10 mil pessoas.

Enquanto não há um conjunto claro de critérios por conseguir um convite fora da lista de espera, as credenciais de emprego parecem super importantes. A fundadora Amanda Bradford afirma à Forbes que iniciou o aplicativo porque estava cansada de perder tempo com Tinder e OkCupid, e almeja uma base de usuários composta de executivos de nível C e “pessoas que lideram equipes de 300 no Google ou Facebook.”

Atualmente, 45% dos membros possuem nível superior, 28% têm um cargo no nível de diretor ou superior e 20% são CEOs, fundadores, co-fundadores ou presidentes, segundo Amanda.

“Eu acho que se você tiver que escolher entre superficial e elitista, eu escolho elitista. Qualquer aplicativo que mostra o que as pessoas são e como eles passam a maior parte do seu dia é menos superficial do que um jogo de curte ou não curte, relatou ao Tech Crunch a criadora.”

* Com informações da Entrepreneur.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS