Brasil pode superar desaceleração

Nova chairwoman do espanhol Santander confia que Brasil pode se sobrepor à desaceleração econômica

 

O Brasil parou de crescer. Nos últimos três anos, o PIB teve uma expansão tímida de 2,7%, 1% e 2,5%, respectivamente, menor do que na década de 2000 e 2010, quando, mesmo com duas crises financeiras internacionais, o crescimento médio foi de 3,7% ao ano.

A nova presidente do Conselho de Administração do banco espanhol Santander, Ana Botín, disse neste segunda-feira que está confiante de que a economia do Brasil, o maior mercado do grupo na América Latina, superará o atual processo de desaceleração.

“Tudo nos faz confiar na atratividade da economia brasileira e que ela superará esse período de desaceleração pelo qual está passando”, afirmou.

Em sua primeira aparição no cargo perante acionistas após sua nomeação na semana passada, Ana afirmou que vai defender a política de dividendos como principal objetivo do banco.

A executiva também disse que o banco está no caminho certo para colher bons resultados em 2014 e que, sob sua liderança, a diversificação pode preparar o terreno para uma nova fase de crescimento nos lucros.

“Neste momento, quando estamos próximos da conclusão do terceiro trimestre, posso dizer que as tendências positivas na evolução dos resultados do grupo se confirmam”, disse.

* Com informações da Reuters e BBC.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS