Calor e sistema nervoso: entenda as reações do corpo

Dores de cabeça, sono desregulado, pressão arterial baixa. Os dias quentes afetam nossa rotina de mais maneiras que podemos imaginar. Algumas reações estão diretamente ligadas a distúrbios reais causados pelo aumento da temperatura

Por: - 50 anos atrás

O verão, todos sabem, é uma época de forte calor. O que nem todos sabem, entretanto, é que este calor, em excesso, pode agravar ou desencadear alguns problemas neurológicos.
 
Quem nunca teve dor de cabeça? São poucos os privilegiados nesta situação, uma vez que se estima que 9 em cada 10 pessoas terão, pelo menos, 1 episódio de cefaleia na vida. Entre eles, a enxaqueca é o mais comum. Neste sentido, o verão pode ser um fator desencadeante ou até agravante de crises. O calor favorece a desidratação, a hipoglicemia, altera a pressão e os batimentos cardíacos. Por isto, enxaquecosos ou portadores de cefaleia crônica precisam ter cuidado redobrado nesta época do ano, hidratando-se muito, procurando lugares mais frescos, na sombra, ingerindo alimentos leves e ricos em água, bebendo bastante líquidos ou isotônicos.
 
O sono também pode ser prejudicado no verão, principalmente na mudança do fuso horário, quando o relógio é antecipado em 1 hora. Muitas pessoas têm um ritmo biológico que se altera bastante com pequenas mudanças do ciclo sono-vigília. E alteração de sono, por sua, vez, é mais um fator que desencadeia cefaleias, como vimos acima.
 
No calor intenso, indivíduos com pressão arterial mais baixa, no limite inferior, são mais sujeitos a desmaios, tonturas e até, mais raramente, crises convulsivas. É muito importante, além de manter a hidratação adequada, mais cuidado ao levantar da posição deitada para posição em pé, e fazer isto pausadamente.
 
Finalmente, situações mais incomuns podem ser precipitadas pelo calor intenso. Um deles é o “fenômeno de Uhthoff”, no qual ocorre um agravamento dos sintomas neurológicos em portadores de esclerose múltipla. Isto ocorre porque o aquecimento do corpo altera a condução dos impulsos elétricos pelas células nervosas. O outro, menos comum, seria nos casos de doença cerebrovascular, seja acidente vascular cerebral isquêmico ou trombose venosa cerebral, ambos associados ao calor e à desidratação.
 
Logo, é importante tomar bastante cuidado no calor, em particular, aquelas pessoas que têm problemas neurológicos. Mais importante ainda, medidas simples de prevenção podem amenizar grande parte das queixas que estes pacientes têm nesta época do ano.

* Dr. André Felício é neurologista, doutorado pela UNIFESP/SP, pós-doutorado pela University of British Columbia/Canadá e pesquisador do Hospital Israelita Albert Einstein/SP

 

Leia mais:

Automóveis requerem cuidados especiais no verão

Verão exige cuidados especiais com os animais de estimação

Cuide dos fios loiros no verão e não saia do tom