Consumir por impulso é natural, mas pode ser controlável

O impulso por adquirir, comprar, obter e afins, está presente no DNA do ser humano; Ele deve ser moldado, não aniquilado

Por: - 49 anos atrás

Para a maioria dos brasileiros ? 52%, para ser mais exata ? , segundo o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC), vitrines, promoções e parcelamentos os levaram a fazer uma compra por impulso no primeiro trimestre de 2014.

Para lutar contra esses estímulos consumistas e equilibrar o orçamento familiar, o consultor financeiro e CEO do MoneyGuru, Stanlei Bellan, criou o conceito do vale-impulso. “Não adianta querer colocar barreiras na essência humana de consumidor impulsivo. A melhor maneira de lidar com isso é abraçar e assumir que somos assim, mas colocar limites nessa nossa natureza. Para isso recomendo o vale-impulso“, explica Stanlei.

O vale funciona como direito de fazer uma compra não planejada por mês, mas dentro do orçamento. “Você deve colocar um limite, um valor para esse imprevisto positivo. E esse impulso não tem gênero: pode ser comida, pode ser um eletrônico, pode ser diversão – à sua escolha. Você irá usá-lo para controlar essa natureza desenfreada do consumo toda vez que palavras como ‘novidades’, ‘desconto’ e ‘lançamento’ aparecerem em seu caminho'”, completa o CEO do MoneyGuru.

É importante definir o que pode ser considerado um impulso. “É algo que você não estava planejando comprar. Você simplesmente viu e não resistiu. Ele não entra nas categorias normais do orçamento familiar”. Além disso, Stanlei criou três regras para o vale-impulso não sair do controle:

*É pessoal e intransferível (cada um da família tem o seu);

*Não acumulativo (se não gastou esse mês, não terá dois no mês seguinte);

*Indivisível (se o valor do vale é R$ 150, mas você gastou R$ 80 comprando um tênis, você perdeu o valor inteiro do mês).

“Com todas essas regras, você irá aprender a fazer escolhas e a conter as tentações. E esse é o caminho da educação financeira: aprender a lidar com os nossos desejos consumistas. No primeiro mês, você vai ter o seu primeiro impulso e vai torrar todo o dinheiro. A partir daí, não poderá mais fazer outra compra não planejada. Seja firme e aguente o mês seguinte. Você estará começando a controlar a sua natureza financeira de consumo”, finaliza o consultor financeiro.

Com informações da Assessoria de Imprensa e do portal MoneyGuru.

Leia mais:
Responsabilidade versus impulso: como você consome?
Os sete pecados cometidos pelo inadimplente
75% dos brasileiros pretendem economizar mais em 2015