Copa das Copas: o frenesi das redes sociais e as marcas

Para as empresas essa Copa é definitivamente um pontapé inicial para uma nova era da propaganda em eventos dessa magnitude. Os patrocinadores podem e devem oferecer e apreciar uma experiência nunca antes vista no mundo  

Por: - 50 anos atrás

A Copa do Mundo do Brasil já deu o pontapé inicial com polêmicas, gol contra e recordes. Um em cada três usuários brasileiros do Facebook falou sobre a seleção durante jogo da estreia, em escala mundial, o buzz gerado pela estreia da Copa das Copas foi maior que o do Oscar deste ano, que bateu recordes de acesso e compartilhamentos.

De acordo com o comScore Media Metrix de setembro de 2013, a América Latina é a líder disparada no uso de redes sociais no mundo. Enquanto globalmente cerca de 83% da audiência global da internet participa das redes sociais, na América Latina esse percentual cresce para 94%. Além disso, a região é a campeã no uso do tempo despendido em redes sociais, já que os latino-americanos gastam cerca de 9,4 horas por mês interagindo com as redes, enquanto a média mundial é de apenas 5,3 horas mensais. 

E como ficam as empresas?

Para as empresas essa Copa é definitivamente um pontapé inicial para uma nova era da propaganda em eventos dessa magnitude. Os patrocinadores podem e devem oferecer e apreciar uma experiência nunca antes vista no mundo.

Resta saber se saberão aproveitar o frenesi das redes sociais para, de fato, permitir que marcas e consumidores levados pela empolgação de um momento único possam dialogar ou se sofrerão os efeitos de uma das máximas mais válidas atualmente: vox populi, vox dei.

Veja abaixo um infográfico sobre por que essa copa é tão importante para o mercado: