Cupons: por que ainda não emplacaram no Brasil?

Parte da cultura de consumo dos norte-americanos, os cupons de desconto ainda são tímidosno mercado brasileiro. Mas parece que isso pode mudar

Cupons de desconto são muito populares nos Estados Unidos e em algumas outras partes do mundo. Um estudo da Nielsen mencionou que 27% dos e-shoppers norte-americanos recebem newsletters para economizar dinheiro. Esse dado é endossado por outra pesquisa da Deloitte, que mostra que para 65% dos americanos os cupons são importantes para compras no supermercado.

No Brasil, o pontapé inicial para a cultura dos cupons  foram os polêmicos sites de compras coletivas, com isso, aos poucos os cupons chegam à vida do brasileiro. Apesar de as compras coletivas estarem com seus dias contados, a inserção da cultura do desconto na vida do brasileiro redefiniu de certa forma o mercado de consumo.

A Uolet, finalista do concurso Empreenda Brasil promovido pela Fiesp. A solução mais simples da empresa cria inteligência por trás do fornecimento de acesso wi-fi, com envio de promoções – um dos usuários é um shopping paulistano que já consegue saber o ritmo de visitas dos clientes e enviar cupons promocionais de um lojista da praça de alimentação, com resgate acima de 20%.

A internet, aliás, é o grande impulsionador desse novo paradigma de consumo. Para Sammy Veicer, sócio-fundador do QualValor, um site de negociação para comprar serviços e produtos exclusivos, negociando na hora o valor que deseja pagar, a internet foi o dividor de águas nesse sentido. ? sistema revolucionou uma cultura de compra por cupons, que nunca antes havia sido bem sucedida no Brasil. Não conheço nenhum consumidor que se deslocava com um cupom na mão para comprar em estabelecimento. Nos Estados Unidos, isto sempre foi muito comum, tanto que os jornais de domingo têm sessões com bilhetes para serem destacados. Mas, no Brasil nunca funcionou. Ou melhor, não havia funcionado, até chegarem os sites de compra coletiva?.

Para Madsen Lima, Head of Communications na Panna Cotta Voucher Group (pannacottagroup.com), a uma rede international de Cupons Online localizada em Hamburgo, Alemanha,  que é a Startup por trás do site Cupom.com, cujas operações no Brasil são realizadas pela Cupom.com, por mais desenvolvido que seja o e-commerce brasileiro, a utilização de cupons de desconto para compras online ainda é bastante nebulosa para alguns consumidores.

?Acreditamos que a principal barreira para a adoção em massa seja a falta de informações sobre a simplicidade no processo de utilização desses cupons. Nossa estratégia de comunicação consiste em educar o consumidor brasileiro sobre os benefícios de pesquisar por cupons disponíveis antes finalizar qualquer transação?, diz, apesar de os cupons de desconto para lojas online podem oferecer diferentes benefícios, como descontos em dinheiro sobre o valor final da compra, entrega grátis, ofertas do tipo compre 2 e ganhe 1, entre outras.

Os dois lados da moeda

Para Anna Karina Williams, pequena empreendedora, proprietária da Anna Joana Lounge Wear, cupons de desconto podem desvalorizar o produto. No entanto, mudaram o paradigma do nosso comportamento de compra e venda. ?Acredito que esses sites de compra coletiva foram uma febre que está passando, mas serviu pra nos mostrar que oferecer um produto vai além de gerar lucro, é um serviço, que envolve qualidade, bom atendimento e relacionamento?.

Muitos estabelecimentos que participaram, acabaram por se arrepender, ou porque não conseguiram atender a demanda e com isso macularam sua marca/ serviço ou não tiveram o retorno financeiro esperado.

 
Dicas para os sites e anunciantes:

? É preciso selecionar bons parceiros, realizando filtros e controle prévio sobre as ofertas;

? No caso dos sites é preciso estar atento aos erros de digitação para evitar problemas futuros com os preços, por exemplo, que são divulgados, mas não correspondem a realidade de mercado. Nestas situações os tribunais costumam favorecer o preço interpretado pelo consumidor, em razão do formato promocional dos sites de compra coletiva.

Dicas para o consumidor:

? Buscar sites conhecidos para evitar surpresas desagradáveis de oportunistas ou, no caso de sites recém-lançados, pesquisar na rede e com demais usuários sobre os serviços;

? Checar se de fato a empresa existe, tentando entrar em contato com ela ou descobrindo seu endereço físico;

? Desconfiar de preços exageradamente convidativos, que geralmente induzem o cliente a cadastrar seus dados pessoais para somente depois informar que o produto está esgotado. Nestes casos o especialista recomenda que o consumidor faça um teste no site, utilizando dados pessoais diferenciados.

? Em caso de problemas, a preferência é que o consumidor seja indenizado pelo estabelecimento e que este solicite depois, ao site, o ressarcimento, conhecido como ?direito de regresso? pelo Código de Defesa do Consumidor.






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS