Marcas desperdiçam tempo e dinheiro no Facebook e Twitter

Um recente estudo da Forrester sugere que as marcas estão perdendo seu tempo, esforço e dinheiro no Facebook e Twitter. O estudo realizado pela empresa no início deste ano constatou que os posts de marcas no Twitter e no Facebook chegaram a apenas 2% dos seus seguidores. O engajamento é ainda menor: 0,07% de seguidores realmente interagiram com essas mensagens.

“Pare de fazer do Facebook o centro de seus esforços de marketing de relacionamento”, sugere Nate Elliott , vice-presidente e principal analista da Forrester. É sempre bom lembrar que o Facebook vem diminuindo o alcance orgânico desde o fim de 2013.

“Está claro que Facebook e Twitter não oferecem as relações que os líderes de marketing anseiam”, continua Elliott. “No entanto, a maioria das marcas ainda usam esses sites como a peça central de seus esforços sociais”, ressalta. Segundo o analista, é hora de os profissionais de marketing começarem a construir estratégias de relacionamento sociais em torno dos locais que podem entregar valor.

Por mais paradoxo que possa parecer, se sua marca está à procura de engajamento em mídias sociais, talvez apostar nos gigantes como Twitter e Facebook seja um erro. Mas, então, o que fazer? Depende de sua empresa. A Forrester prevê que “comunidades de marca” serão a próxima grande coisa em 2015, citando o sucesso da Sony e a plataforma GreatnessAwaits.com, um microsite para o PlayStation 4 que atraiu mais 4,5 milhões de visitas.

Outro ponto forte para atingir o consumidor é o velho e bom e-mail. “Seus e-mails são entregues em 90% dos casos, enquanto os seus posts do Facebook são entregues 2%”. “Se você tiver que escolher entre adicionar um assinante à sua lista de e-mail ou ganhar um novo fã Facebook, escolha o e-mail sempre.”

* Via Adnews

 






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS