O perfil do consumidor no interior do Brasil

Apesar de as grandes capitais serem as vedetes (aparentemente?) da economia brasileira, o mercado paralelo das cidades fora do circuito das metrópoles tem funcionado como o óleo das engrenagens das finanças no Brasil.

Mais exatamente por que metade da população vive nessas áreas, que movimentam R$ 827 bilhões por ano, que são, além de tudo, oportunidades reais para os pequenos empreendedores, por ainda apresentarem hábitos muito ligados ao pequeno comércio e serviços e renda abaixo de dois salários mínimos em 80% dos domicílios.

Dados da consultoria Boston Consulting Group apontam que até 2020 US$ 141 bi do total de dinheiro novo na quantia de US$ 307 bi virá das cidades do interior. Para a consultoria, o mercado interiorano ?ainda não é amplamente atendido por empresas nacionais e estrangeiras, cuja gestão ainda tende a investir mais em cidades grandes ou mais desenvolvidas?.

Dentre as mais de 50 inaugurações de shopping centers previstas para 2014 e 2015, apenas um terço ocorrerá nas capitais, de acordo com dados da Abrasce (associação Brasileira de Shopping Centers).

Está mais que óbvio que é preciso olhar com mais atenção para as cidades periféricas, por isso muitas cidades estão criando incentivos para que as empresas se estabeleçam nessas localidades.

Veja os dados apontados da pesquisa sobre o perfil desse consumidor, realizada pelo Instituto Data Popular, encomendada pelo Sebrae:

interior

Leia mais:

O perfil do consumidor do sexo masculino

O que quer quem viaja de avião?

Quem é o e-shopper brasileiro?






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS