Viagens de avião e pets: como voar com segurança

Se seu animal de estimação vai para onde você for, fique atento sobre o que é necessário fazer para que ele tenha uma boa viagem

Nas duas últimas semanas, muito se falou sobre o sumiço do gato Louis, de um ano e meio, que veio dos Estados Unidos com seus donos, o casal de biólogos Elaine Françoso e Alexandre Zuntini. A caixa onde o animal estava apareceu na esteira, cinco horas depois, estourada e vazia.

A GRU Airport, concessionária responsável pelo aeroporto, afirmou que a responsabilidade pelas bagagens é da companhia aérea, ?mas que auxiliaria nas buscas?. A American Airlines, por sua vez, disse que utilizaria todos os recursos disponíveis para encontrar o gato. O pet desapareceu no dia 19 de setembro e foi encontrado no dia 26, graças a uma armadilha ? uma gaiola com ração para gato.
Animais de estimação têm sido cada vez mais comuns em viagens de avião. As pessoas os consideram como parte da família e querem que sejam tratados como tal. Mas pouco se falava sobre como transportá-los, leis e segurança neste segmento, até o ocorrido com o gato Louis.

Conheça quais espécies podem ser transportadas, como fazer o transporte e o funcionamento das regras nas principais empresas aéreas brasileiras.

Em viagens nacionais, a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) exige que seja apresentada carteira de vacinação atualizada, onde estejam comprovadas as vacinas múltipla e antirrábica, além de tratamento com vermífugo. Qualquer animal que não seja cão ou gato precisa ter uma Guia de Trânsito Animal (GTA) para viagens dentro do país. O documento deve ser obtido na sede da Secretaria de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento (Seappas) dos Estados ou municípios.

Para viagem internacional, é obrigatório apresentar também o Certificado Zoossanitário Internacional (CZI). Para obtê-lo, é necessário agendar uma consulta com médico veterinário do Ministério da Agricultura, que se encontra em aeroportos internacionais.
O trânsito de cães e gatos entre países exige algum documento emitido pela autoridade veterinária do país de origem e aceito pelos países de destino, que ateste as condições e o histórico de saúde do animal de estimação bem como o atendimento às exigências sanitárias do país de destino.

No Brasil, os documentos utilizados para essa finalidade são o CVI (Certificado Veterinário Internacional) e o Passaporte para Trânsito de Cães e Gatos, que são expedidos pelo Serviço de Vigilância Agropecuária Internacional (Vigiagro). Este passaporte dura por toda a vida dos animais, mas são, por enquanto, Aceitos apenas nos países do Mercosul ?  Argentina,  Paraguai, Uruguai e Venezuela ?, que têm acordo de equivalência.

Saiba o local mais próximo para solicitar o passaporte do seu animal.  É importante que os proprietários de animais de estimação verifiquem, antes da viagem, as exigências de cada país de destino. As obrigatoriedades variam de lugar para lugar. O portal do Ministério da Agricultura disponibiliza estes detalhes de alguns países.

Existe uma diferença no Brasil que se aplica à viagens com destino a Fernando de Noronha. Além da documentação citada acima, é necessária a Autorização de Entrada de Animais na Ilha, expedida pela Secretaria de Meio Ambiente e Turismo de Fernando de Noronha pelo telefone (81) 3619-0810.

 

Empresas aéreas

TAM
As viagens são permitidas apenas para cães e gatos e pode ser realizado na cabine de passageiros ? não excedendo 7Kg, somando o peso do animal com a caixa de transporte ? ou no porão da aeronave. Existe um número máximo de animais transportados por aeronave, e cães e gatos não embarcam próximos para evitar desconforto. Para a viagem, o animal deve ser acomodado em uma caixa de transporte (kennel), que pode ser adquirido em lojas de animais.

Algumas raças de cães e gatos possuem restrições para as viagens. São os animais branquicefálicos ? de focinho curto.

Os cães são:

Affenpinscher, American Staffordshire Terrier, Boston Terrier, Boxer*, Brussels Griffon, Buldogue, Bullmastife, Cane Corso, Chow Chow, Japanese Chin, Lhasa Apso, Mastim*, Pequinês, Presa Canario, Pug o Carlino, Shar Pei, Shih Tzu, Tibetan Spaniel e Toy Spaniel Inglês. * Incluindo suas derivações.

Os gatos:
Burmês, Himalaio, Exotic Shorthair e Persa.
Os voos dentro do Brasil custam R$200; os internacionais, USD200.

Avianca
A companhia limita o transporte de três animais por voo e aceita apenas animais domésticos – cães e gatos – transportados na cabine de passageiros.. Para confirmar o disponibilidade, o passageiro deve entrar em contato através da Central de Vendas, com duas horas de antecedência.
O custo do transporte de animais na cabine é de R$100 (taxa fixa). A cobrança é válida por trecho (Origem – Destino, não se aplicam cobrança por escalas e conexões).

 

Azul
Na Azul, o pet viaja junto ao dono, na cabine. O cão ou gato deve pesar no máximo 5Kg, ter mais de quatro meses, estar limpo, saudável e sem o odor desagradável.
O serviço custa R$140 e são permitidos apenas três animais por voo.

 

Gol
Com regras muito parecidas com a TAM, a diferença é que, na Gol, são permitidos apenas dois animais por voo. No caso do peso total ? animal somado a caixa ? ultrapassar os 30Kg, o transporte é realizado pela Gollog, serviço de cargas da Gol.

O transporte realizado pela companhia tem uma taxa de R$90 somado ao peso da caixa mais o animal, multiplicado pelo valor correspondente a 1% da tarifa cheia do trecho a ser voado.

A Gol não transporta as seguintes raças de animais:

Caninos de Raças Braquicefálicas: Buldogue Americano, Boston Terrier, Boxer, Griffin de Bruxelas, Pug Chinês, Chow Chow, Pug Holandês, Pug, Pequinês, Buldogue Inglês, Cavalier King Charles Spaniel, Buldogue Francês, Dogue de Bordeaux, Lhasa Apso e Shih tzu;
Felinos de Raças Braquicefálicas: Persa, Burmês, Exótico e Himalaio

 

Animal de serviço

Por tratar-se de caso de necessidade especial, o cão-guia obrigatoriamente deve ser transportado sem custo adicional para o passageiro, com coleira e ao lado do dono, na primeira fileira.

Deve estar equipado com correia e dispensa uso de focinheira. É necessário informar a companhia aérea com antecedência e apresentar a documentação necessária para animais, além de atestado médico comprovando a necessidade do passageiro de levar consigo o cão-guia.

 

Leia mais:

O inusitado mercado de consumo para pets

Verão exige cuidados especiais com os animais de estimação

Animais de estimação versus fogos de artifício

 






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS