Perde-se uma semana de trabalho por ano por conta de tecnologias defasadas

Gastos com reparos podem igualar ou exceder o investimento em PCs novos, além das quarenta e duas horas de trabalho são perdidas quando um PC mais antigo precisa de reparos

Uma pesquisa realizada pela Techaisle a pedido da Intel revelou dados alarmantes em relação às pequenas empresas. Na média, os funcionários perdem uma semana ? ou 42 horas de trabalho – por ano em função de problemas com PCs antigos. Em contrapartida, 27% das 736 empresas entrevistadas afirmaram que a prioridade delas é reduzir o custo de TI.

O estudo realizado com representantes do Brasil, China, Alemanha, Índia, Rússia e Estados Unidos, mostrou que todas elas estão prolongando a vida de seus PCs muito além da data de atualização recomendada. Em 36% delas, os PCs têm mais de quatro anos de uso, e por isso exigem mais manutenção, afetando a produtividade dos funcionários e elevando os custos. Ainda segundo o estudo, investimentos em novas máquinas, em alguns casos, sairiam mais barato.

?A atualização para um PC novo é uma das escolhas mais inteligentes que uma empresa pode fazer?, explica Carlos Luzzi, diretor do segmento corporativo da Intel Brasil. ?Os PCs são considerados a base de muitas empresas e este estudo deixa clara a necessidade de atualizá-los regularmente?.

No que tange aos gastos com os PCs mais antigos, os serviços de reparo e manutenção são 1,5 vezes mais frequentes, o que gera, em valor, custos de, em média, US$ 427 por PC com mais de quatro anos de uso. Isto equivale a 1,3 vezes o valor do mesmo serviço para PCs novo ou seminovo. Por exemplo, entre as empresas com 50-99 empregados, o custo médio de reparo de PCs antigos é US$521 por ano, ou 1,4 vezes o custo de reparo de um PC com menos de quatro anos de vida.

Outro risco tem relação com segurança e custos que aumentarão no próximo ano. Das empresas participantes da pesquisa, 47% delas não estavam informadas de que a Microsoft encerrou o serviço de suporte para a popular plataforma Windows XP*, aumentando a carga de manutenção. Além disso, sem as atualizações automáticas que ajudam a proteger os PCs, valiosos dados de negócios ficam mais vulneráveis aos vírus e riscos de segurança.

Os pequenos empresários acreditam que com PCs mais novos, o desempenho de aplicativos rodando simultaneamente sem nenhuma degradação do sistema seria 60% maior em comparação com os PCs antigos. O avanço é significativo na medida em que as pequenas empresas estão usando tipos de aplicativos cada vez mais diversificados simultaneamente, incluindo aplicativos de produtividade empresarial, e-mail e internet, bate-papo e vídeo online, aplicativos de linhas de negócios, finanças e contabilidade, interações nas redes sociais bem como música e jogos.

O estudo revelou, no entanto, que 60% das pequenas empresas só pretendem substituir seus PCs antigos quando o custo de reparo for equivalente ao investimento em máquinas novas. No entanto, a maioria delas relatou que frequentemente enfrentam problemas de desempenho de aplicativos e do sistema, ataques de Malware e questões relativas à conectividade oriundas do tempo de uso do PC.

?Apesar da dificuldade de quantificar o impacto da perda de produtividade decorrente desses problemas, eles também contribuem significativamente para a perda de produtividade e insatisfação do empregado?, destaca Luzzi, da Intel.

Novos sistemas 2 em 1, all-in-ones, desktops e Ultrabooks equipados com processadores de última geração oferecem às empresas menor custo total de propriedade, maior duração de bateria e melhor desempenho para os aplicativos de produtividade para empresas em relação aos sistemas com mais de quatro anos de uso. Além disso, existem tecnologias desenvolvidas exclusivamente para o uso corporativo.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS