Internet e TV caminham juntas para o consumidor

Troca de mensagens pela internet costuma acontecer ao mesmo tempo em que assistir a programas na TV. Google integrará os dois conteúdos

De acordo com uma pesquisa do IBOPE Media para compreender os hábitos entre os que consomem conteúdo televisivo em diferentes plataformas, embora a troca de mensagens por meio dos comunicadores seja a principal atividade online destes indivíduos simultâneos, 38% desses consumidores fazem comentários nas mídias sociais sobre os programas que estão assistindo na TV. Um aumento absoluto de 136% em relação a 2012, quando o IBOPE Media divulgou a primeira pesquisa sobre o tema.

Uma nova patente do Google, registrada este mês, faz a integração do conteúdo transmitido via televisão ao seu mecanismo de busca. Após ser implementado, deverá afetar significativamente o mercado publicitário no Brasil e o modo de fazer buscas. Essa é a opinião de Rafael Simoni, especialista em otimização de site da Conversion, maior consultoria do ramo no País.
 
Divulgada recentemente no site oficial do Google, a patente permite que sejam monitorados os programas de televisão de determina área, criando uma relação entre o que está sendo apresentado e o que é procurado na internet em um determinado prazo de tempo. O buscador não se pronunciou quanto à data de implementação do novo recurso.
 
A notícia vem causando reflexões, sobretudo, entre profissionais da área de SEO, que atuam no varejo eletrônico. Para Diego Ivo, CEO da Conversion, a informação ainda é recente e os resultados não devem aparecer num futuro muito próximo. ?Hoje, não podemos sentir o  impacto dessa novidade, porque se trata até o momento de uma patente apenas. Se houver a implementação dessa invenção, as buscas ficarão cada vez mais contextualizadas e integradas com outras mídias”, afirma.
 
Simoni, por outro lado, comenta a relação da ferramenta com o mercado de publicidade. “Essa integração também poderá impactar a publicidade. Imagine poder englobar tudo na web, todo o público que assistiu a um comercial ou a uma informação específica?”, indaga o especialista.

Ao procurar uma palavra por meio de um dispositivo eletrônico, como tablet ou celular, o Google irá cogitar inúmeras possibilidades e relacionar a expressão procurada com programas exibidos em determinada área e horário, já que ambos serão fatores para realizar a classificação dos resultados. Quanto mais específica a expressão a ser procurada, melhor direcionado será o conteúdo.
 
O objetivo da nova ferramenta é distinguir o que  espectador gosta de assistir,  associando esses dados a uma busca mais detalhada e melhor direcionadas na página do Google, melhorando sua experiência. Quanto mais avançado o novo método de rankeamento, melhor a performance e, mais informações de cada usuário para possíveis sugestões, que podem ser  desde programas televisivos até vendas focadas em um consumidor em potencial.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS