Empresa qualifica e emprega detentos

Desde sua criação, o projeto Liberdade Construída envolveu mais de 225 homens. Atualmente 26 participam das atividades e 15 homens já foram contratados pela empresa

A Risotolândia, empresa paranaense de serviços de alimentação, acredita em responsabilidade social. E para isso, criou o projeto  ?Liberdade Construída?, realizado pela empresa em parceria com a Secretaria de Justiça e Cidadania do Paraná, que consiste em oportunidade de emprego para detentos da Colônia Penal Agroindustrial do Paraná.
 
Desde que foi criado, mais de 225 detentos já participaram das atividades do projeto. Atualmente, 26 estão ativos e 15 já foram contratados para trabalhar na Risotolândia, que tem sede em Araucária (PR), e atuação nos estados de Santa Catarina e interior de São Paulo.
 
Os detentos participantes do projeto passam pelas áreas de psicologia e jurídica na Colônia Penal Agroindustrial e na Risotolândia realizam os exames de admissão, participam de treinamentos das áreas de segurança do trabalho e operacional. Já os ex detentos que são contratados passam pelo processo normal de admissão na empresa, ou seja: entrevistas, realização de todos os exames, integração e treinamentos.
 
No local de trabalho, são tratados igualmente aos outros funcionários. ?Eles dividem as mesmas funções, utilizam diariamente o mesmo uniforme e têm o respeito dos colegas e dos supervisores. Isso é uma grande motivação para que cumpram a pena e voltem à sociedade já habituados com o ritmo de trabalho e com a chance de começar uma nova vida?, comenta o diretor superintendente da empresa, Carlos Humberto de Souza.
 
Além de reduzir um dia na pena a cada três dias de trabalho na empresa, o Liberdade Construída ? que atende as exigências da Lei de Execução Penal – também garante aos detentos remuneração, com 75% do salário mínimo nacional. ?Este é o primeiro projeto em que detentos são trazidos diariamente da Colônia à empresa, sendo totalmente integrados aos outros colaboradores. Eles trabalham em funções como higienização de contêineres e bandejas, manutenção de veículos, higienização de hortifrúti e pátio?, explica Carlos Humberto.
 
O programa já recebeu diversos prêmios, entre eles o ?Ser Humano Paraná ? Luiz Hamilton Berton? em 2011, que foi promovido pela Associação Brasileira de Recursos Humanos, a ABRH.

Outros projetos

Além dessa, existem outras ações feitas pela empresa, como o Gralha Azul, que desde 2005 faz o plantio de mudas de Pinheiro-do-Paraná (Araucaria angustifolia), utilizando mão de obra de internos da Colônia Penal Agrícola (CPA) em Piraquara-PR e com o intuito de manter o equilíbrio entre fauna, flora e os recursos hídricos.

Outro projeto é o Cultivando e Resgatando, desenvolvido pelos detentos da Colônia Penal Agrícola de Piraquara, que tem como objetivo plantar e colher as hortaliças que são utilizadas na alimentação de inúmeras pessoas.

O curso Manipulador de Alimentos é oferecido gratuitamente pela empresa, a fim de qualificar profissionalmente a comunidade de Araucária, por meio de aulas expositivas e exercícios. Dentre os objetivos estão boas práticas profissionais em manipulação de alimentos, segurança alimentar, higiene pessoal, ambiental e de utensílios, segurança do trabalho, meio ambiente, relações humanas e preparação para o mercado de trabalho. Além de incentivar práticas sustentáveis, o curso auxilia os moradores da região a conquistar o mercado de trabalho.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS