1º Fórum de shopping centers debate mudanças no setor

 Evento contou com a presença do governador do estado, Geraldo Alckmin, e reuniu varejistas e empresas de shopping centers

Executivos de marcas de varejo e de empreendimentos de shopping centers reuniram-se na quinta-feira, dia 13, em São Paulo, para o 1º Fórum de Shopping Centers, organizado e promovido pelo Grupo de Líderes Empresariais ? Lide, com apoio institucional da Abrasce (Associação Brasileira de Shopping Centers). Os representantes do setor debateram temas como o consumidor na era digital, a globalização e evolução dos shopping centers e os impactos dos movimentos populares no setor. Todos os temas convergiram para um único ponto: como varejo e shoppings podem trabalhar juntos para que ambos crescem.

O setor de shopping centers faturou R$ 129 bilhões em 2013, com crescimento de 8,6%, frente a 2012 ? desempenho acima do PIB (Produto Interno Bruto), segundo dados da Abrasce. ?Nosso segmento representa uma das mais importantes áreas do País?, disse no evento o presidente da associação Luiz Fernando Veiga.

A abertura do fórum contou com a presença do governador do estado de São Paulo, Geraldo Alckmin, que atentou para o crescimento da capilaridade do setor e sobre as ações do governo para diminuir o tempo para abertura e fechamento das empresas. ?A meta é que em 10 dias uma empresa esteja aberta no estado. É um esforço para a competitividade?, disse Alckmin. No quesito segurança pública ? um dos temas do debate ? o governador lembrou a implantação de bônus para os policiais que atingirem metas, que incluem redução de crimes contra vida, roubos em geral e de carros. As metas são por distrito.

No evento, foi realizada uma pesquisa, preparada pelo presidente do Lide Conteúdo e professor da FGV, Fernando Meirelles, com os executivos presentes sobre vários aspectos do setor de shopping. Dos 418 empresários, 47% afirmaram que a economia é o maior obstáculo para o crescimento do setor; e 64% acreditam que a evolução do setor será menor nos próximos cinco anos, se comparado com o crescimento dos últimos dois anos. 
 

Agenda convergente

O copresidente da Ancar Ivanhe, Marcos Carvalho, iniciou o debate sobre uma agenda convergente entre varejo e shoppings. ?O consumidor é nosso ponto de convergência?, disse. Carvalho falou sobre as mudanças do comportamento dos clientes dentro da loja e das novas preferências deles. Para ele, é preciso trabalhar junto aos lojistas para atender às novas demandas. ?Temos de ter uma visão mais holística do negócio e vejo como ameaça varejistas que se fecham no próprio mundo?, afirmou o presidente da Riachuelo, Flávio Rocha. ?O desafio da década é ter um varejo de alta performance?, completou.
 

Consumidor digital

A tecnologia não ficou de fora das discussões. O diretor executivo de vendas e marketing da rede Magazine Luiza, Frederico Trajano, falou da importância dos investimentos em ferramentas digitais em tempos de consumidor omnichannel e crescimento do e-commerce. ?Nos Estados Unidos, por exemplo, metade das vendas ou são feitas diretamente pela internet ou são decididas na internet e finalizadas na loja física?, disse. Apresentando a experiência da varejista, Trajano falou das soluções que atraem os clientes, em qualquer canal, como e-commerce, social-commerce e loja física ? todos integrados a um único estoque. Os varejistas debateram a necessidade de mudar mix, tamanho e apresentação de lojas nos shoppings, devido às mudanças tecnológicas. ?A loja física é um ponto de experiência e não é mais um ponto de compra?, afirmou o CEO da Livraria Cultura,Sérgio Herz.
 

Pelo mundo

A globalização do shopping center foi tema da apresentação de Renato Rique, presidente da Aliansce. O executivo falou sobre a evolução do setor no mundo e apresentou os diversos modelos implantados que mudaram a cara dos locais onde foram construídos. ?É preciso pensar localmente e agir globalmente?, disse. Da mesma forma, enfatizou o executivo, os empreendimentos também precisam mudar, de acordo com mudanças físicas e sociais das cidades. Sônia Hess, presidente da Dudalina, contou a experiência da marca, que efetuou mudanças físicas e de coleção para atender ao consumidor. ?Temos lojas em todo o País e a sinergia tem de ser grande. Quando vamos a um lugar diferente, aprendemos como ele funciona?, disse.
 

Movimentos sociais

Tema que preocupou o setor de shoppings no final de 2013, os ?rolezinhos? também foram discutidos no fórum. O comandante da Polícia Militar de São Paulo, Benedito Meira, reforçou que este movimento nos shoppings não é um problema policial, mas social. ?Esses meninos não têm opção de entretenimento onde moram e o shopping acaba sendo um polo de atração?, disse. No entanto, ressaltou, quando há tumultos e infrações, como roubos, o assunto é policial. Segundo ele, já ocorreram 146 ?rolezinhos?, com maior concentração em São Paulo.
 

Homenagem

Além dos debates, o encontro também homenageou Carlos Jereissati, presidente do conselho do Grupo Jereissati, José Isaac Peres, presidente da Multiplan, e Sérgio Carvalho, presidente da Ancar Ivanhoe. O Lide também premiou os shoppings em várias categorias:




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS