Tendências de consumo para aplicar em 2014

Não importa o mercado ou o setor em que você atue, se a sua obsessão for atender as necessidades, expectativas e os desejos sempre em evolução dos consumidores, você irá prosperar até no meio dos distúrbios globais mais malucos, sejam quais forem eles. Isso vale para 2014, 2015, 2016 e todos os anos seguintes. Porém, como o começo do ano é o momento em que muitos estão fazendo um esforço extra para imaginar, planejar e criar, a Trendwatching apresenta um punhado de tendências de consumo que estão implorando para serem aplicadas nos próximos 12 meses.

#?Status sem culpa?

Um número crescente de consumidores já não pode mais fugir da consciência dos danos causados por seu consumo: ao planeta, à sociedade, ou a si mesmos. Porém, uma mistura de indulgência, vício e condicionamento signifi ca que a maior parte das pessoas ainda não é capaz de mudar seus hábitos de consumo. O resultado? Uma espiral de culpa sem fi m. Isso cria oportunidades para marcas que combinam o enfrentamento a essa espiral com a busca por status. É hora de criar produtos e serviços que forneçam uma dose de status sem culpa.

Na faixa?

O sedã de luxo elétrico Tesla Model S começou a ser exportado para a Noruega, Suíça e Holanda em agosto de 2013, com modelos com a direção do lado direito previstos para março de 2014. Em setembro de 2013, o Model S foi o carro mais vendido na Noruega, onde motoristas de carros elétricos são autorizados a usar faixas de ônibus para evitar congesti onamentos. Os preços da linha Model S começam em USD 62.400.

Formatado por muitos: a multidão conectada chega à maioridade

Mais gente vai reunir seus dados, seus perfis e suas preferências em grupos. Consumidores conectados estão deixando para trás rastros de dados que dizem respeito a tudo. Com isso, será possível o crowdshaping: novos produtos e serviços adaptados segundo os dados de preferências e comportamentos de grupos de consumidores.

BM usa dados de celular para aprimorar rotas de ônibus na África

Em maio de 2013, o laboratório de pesquisa de Dublin da IBM usou dados sobre horário e localização ? coletados por meio de ligações e SMS ? para acessar as rotas dos usuários de transporte público de Abidjan, na Costa do Marfi m e as compararam à infraestrutura existente. Segundo os dados, havia 65 melhorias possíveis que reduziriam o tempo de deslocamento em 10%.

#Feito mais verde pela e para a China

As percepções da China darão mais uma guinada importante na medida em que os consumidores se derem conta de que o país está se transformando no epicentro de inovações ecológicas, ao lado com marcas chinesas líderes de mercado em setores como tecnologia móvel, luxo e moda (de WeChat a Bosideng, de Shang Xia a Xiaomi e outras). Essa mudança vem na esteira de tentati vas do país em tratar de enormes desafi os ambientais como energia, transporte, construção e outros.

Recicle e tenha desconto na passagem

Em maio de 2013, o Metrô de Pequim introduziu 40 máquinas de vendas reversas, que permitem aos passageiros diminuir o custo das viagens ao reciclar garrafas plásti cas. Para cada garrafa de plástico vazia reciclada usando as máquinas, os usuários recebem descontos que vão de CNY 0,05 a 0,10 em seus bilhetes de viagem.

#Sem dados: oferecer ótimos serviços sem coleta excessiva de dados vai garantir a confiança dos consumidores

Em 2013, avisamos: ?A linha entre marcas que oferecem serviços válidos e as que sufocam clientes com ofertas agressivas é tênue. Sim, compradores gostam de se sentir servidos, mas não querem se sentir observados?. Viu-se uma enxurrada de marcas que sofreram ?quebras de privacidade? e revelaram informações sobre os seus clientes. Isso gera oportunidades em 2014 para marcas sem dados: as que oferecem ótimos serviços ao mesmo tempo em que deixam de coletar dados pessoais (e fazem alarde desse fato). O desafio vai ser encontrar equilíbrio entre os benefícios reais da coleta e utilização de dados (recomendações, vendas cruzadas, personalização, renda de anúncios acentuada e mais) e conquistar a confiança de consumidores cada vez mais hackeados.

Estatísticas 82% dos consumidores globais acreditam que as empresas coletam informações demais sobre eles. (Adobe, junho de 2013).

#A internet das coisas ?que cuidam?

Na mídia (e em incontáveis laboratórios de inovações por todo o mundo), a internet das coisas vai continuar tratando do mesmo: enormes números e, bem, coisas. As inovações serão centradas ao redor das coisas que cuidam. Agora, tudo o que os objetos conectados possam fazer pelos consumidores ? seja monitorar ou aprimorar a saúde, ajudá-los a economizar dinheiro ou a executar tarefas ? será recebido com alegria.

Estatísticas a internet das coisas vai agregar USD 1,9 trilhão à economia global em 2020 (Gartner, outubro de 2013).

#Minha psico: a mente será o novo corpo

Em 2014, o interesse dos consumidores por produtos e serviços quantified self (que medem funções do corpo usando sensores, aplicativos e outras tecnologias) vai continuar a crescer à medida que relógios inteligentes e produtos com tecnologia para vestir (de preço acessível) chegam ao mercado. Até agora, boa parte deles era voltada à saúde física. O próximo passo? Os consumidores vão cada vez mais ver seus smartphones como aparelhos que fornecem assistência total a seu estilo de vida.

Analisando ? e compartilhando ? sonhos

O Shadow é um aplicativo que ultrapassou seu objetivo de financiamento no Kickstarter em outubro de 2013. Ele permite aos usuários lembrarem dos sonhos, por meio de um alarme cujo volume aumenta gradativamente, acordando o usuário com suavidade e aumentando as chances de que ele se lembre dos sonhos. O aplicativo também convida o usuário a gravar o sonho por meio de audiotexto.

Já o acompanhamento de padrões de sonho e sono permite fazer a conexão entre sua vida do dia a dia e seus hábitos de sonho. Cada registro é salvo em um diário e pode ser carregado na nuvem de forma anônima para ajudar a criar um banco de dados global de sonhos, que mostra aos usuários o sentimento e o conteúdo dos sonhos de outros participantes.

Carro inteligente inclui monitor de batimentos cardíacos no assento do motorista

Em setembro, a Ford revelou o S-MAX Concept, um veículo inteligente e multiuso que inclui diversas características que ?cuidam? do usuário. O assento do motorista, que contém um monitor cardíaco do tipo ecocardiograma, pode ajudar a prevenir ataques cardíacos no meio do caminho e acidentes subsequentes.

Um sistema de monitoramento de glicose a bordo alerta o motorista em relação a níveis perigosos de açúcar no sangue. O veículo é capaz de se comunicar, por meio de Wi-Fi, com outros carros com equipamento semelhante que estejam a uma curta distância, permitindo que problemas sejam transmitidos de um veículo ao outro.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS