Marketplace investe meio milhão para entrar na web

O Roupas S.A. inicia as operações no mercado de moda online com 250 lojistas e 7,5 mil produtos cadastrados

O marketplace Roupas S.A. planeja alcançar 500 mil usuários em sua plataforma. Também é 500 mil, só que reais o total de investido pelos sócios Rafael Guandalini, de 28 anos e Virgínia Nigro, de 27. A estratégia arrojada vem da juventude, mas também do preparo dos dois fundadores.

Guandalini é formado em publicidade pela ESPM, pós em administração pela FAAP e especialização em RH pela FGV. Já Virgínia é graduada em Design pela Belas Artes e pós em direção e criação de moda pela FAAP.

O plano ousado busca alcançar mais 100 mil produtos cadastrados já no primeiro ano. Ainda falta muito. Por enquanto, são apenas 7,5 mil produtos e 250 lojistas cadastrados. Mas é só o começo, já que a expectativa de faturamento divulgada ultrapassa R$ 1 milhão.

Os estilistas brasileiros terão lugar garantido no marketplace que, aliás, foi criado justamente para que eles disponibilizem suas principais criações, sem o custo elevado de uma e-marketplace tradicional.

Buscando ser o mais aberto possível para os profissionais de moda do Brasil, a loja online está aberta para qualquer estilista ou lojista que desenvolva uma linha de produtos própria, autoral. Ele pode se cadastrar gratuitamente e divulgar suas criações no Roupas S.A.

Como contrapartida, o lojista tem que repassar 20% do valor em caso de venda da peça. Ainda vai haver uma curadoria diária, para analisar e selecionar os produtos que estiverem dentro dos parâmetros e tendências mais atualizadas de moda. A palavra-chave é inovação.  

Concorrência

Já existem iniciativas semelhantes. No final do ano passado, a plataforma Vitrina.cc tem a proposta de conectar os amantes da moda e dar espaço para novas lojas e designers independentes. Foi o primeiro marketplace do gênero e permite a compra e venda de roupas, acessórios e outros itens de moda. Tudo ode ser feito pela Internet ou pelo celular.

O marketplace surgiu bem na época em que o setor de moda e acessórios acabava de se consolidar como líder das vendas online. Em setembro de 2013, o Vitrina contava com mais de R$ 200 mil em produtos cadastrados.

Home da página da Vitrina.cc

vitrian

 






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS