Carros e o empoderamento do consumidor

Montadora decide parar importação de carro porque consumidores entenderam que não havia sentido comprá-lo. Protagonismo de quem compra faz com que empresas precisem se adaptar ao "clientocentrismo"

A lei da oferta e da procura é tão antiga quanto o mercado. No entanto, em muitos casos, os consumidores esquecem do poder que possuem para influenciar no cenário envolvendo os produtos e seus respectivos preços.

Para refletir a respeito dessa situação, eu gostaria de lembrar que, recentemente, uma fabricante anunciou a suspensão das vendas de um carro que, há poucos anos, casou grande impacto no lançamento. Na época, era inclusive vendido com ágio.

No caso específico desse veículo, com o passar do tempo, ficou evidenciado que o carro não apresentava características técnicas compatíveis com o seu design arrojado e esportivo.

Dessa forma, os compradores passaram a notar que o veículo não valia o preço que custava, motivo pelo qual suas vendas diminuíram. Mesmo com uma redução significativa do preço, não houve recuperação e a marca decidiu interromper as vendas.

Repare bem nos efeitos dos comportamentos de compra dos consumidores. Quando houve a corrida pelo (suposto) status e exclusividade, o carro foi vendido com ágio. Com a queda na procura, além da redução do preço de tabela, o modelo encalhou nas lojas e deixou de ser vendido.

Esse exemplo é realmente elucidativo, inclusive por evidenciar o posicionamento do bem num patamar superior ao real. Trata-se de um caso raro em que os consumidores brasileiros despertaram e fizeram a diferença.

Por outro lado, em linha com o que normalmente ocorre no nosso mercado, há notícias, também recentes, de carros que já sofreram o terceiro reajuste consecutivo em pouco tempo.

Além disso, continuam em linha automóveis jurássicos, com projetos com décadas de defasagem, vendidos por altíssimos preços pela (falta de) qualidade que apresentam.

Por conta desse contexto, é mesmo importante que as decisões de compra dos carros sejam feitas com bastante consciência, considerando que os veículos são caríssimos para serem comprados e mantidos no Brasil. Arrependimentos, portanto, custam caro.

Novamente, é preciso lembrar que um dos principais fatores que determinam essa realidade é a mentalidade dos brasileiros que aceitam pagar preços estratosféricos por carros que não valem o que custam. E somente com uma mudança de comportamento de consumo é possível alterar, em parte, esse cenário.

Deixo, aliás, a seguinte pergunta para reflexão: você acha que alguém compraria, atualmente, um celular “tijolão” projetado nos anos 90, apenas com pequenas mudanças estéticas nos botões, por um preço semelhante ao dos concorrentes modernos?

Pois é, o curioso é que esse tipo de comportamento ainda é bem comum quando pensamos no mercado automotivo brasileiro, em vários dos seus segmentos.

O poder de escolha, na hora de comprar, permanece com os consumidores. Por isso, é aconselhável que ele seja usado da melhor forma possível, valorizando os bens que têm qualidade e os preços mais justos.

* Via Dinheirama

 

Leia mais:

Da compra às dividas: quais são os passos da concessão de crédito?

Sociedade precisa mudar padrão de consumo e comportamento

Conheça as dez empresas mais amadas no Facebook

 






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS