?No Brasil temos que fazer tudo sozinhos?

Caito Maia, fundador da Chilli Beans, reclama de falta de apoio à internacionalização, mas aposta na abertura de 200 lojas nos próximos anos

A Chilli Beans, maior rede de lojas de óculos do País, com 564 pontos de venda (quiosques e lojas), já investiu US$ 10 milhões em seu projeto de expansão internacional. Foram abertos até agora 36 unidades nos EUA, Colômbia, Peru, Israel, Portugal, Kuwait e Emirados Árabes, e outros 200 pontos estão definidos em contratos já fechados, inclusive em novos mercados, como Abu Dhabi e Dubai. ?É um caminho muito bom, mas, honestamente, no Brasil a gente tem que fazer pela gente, com pouco apoio?, desabafa Caito Maia, fundador da rede. ?Na Alemanha, por exemplo, as empresas locais têm um seguro do governo quando querem se internacionalizar e contam com condições especiais durante quatro anos?, compara.

Para Maia, mesmo com esse tipo de dificuldade para acelerar o crescimento internacional, a Chilli Beans está muito bem posicionada no mercado. Segundo ele, o mercado mundial de óculos está polarizado. ?Há uma grande concorrência nos produtos até US$ 20, e daí pula-se para óculos a partir de US$ 130. No mundo inteiro, meu preço é de US$ 75, o que me deixa sozinho no mercado?, explica. O posicionamento de preço, aliado à estratégia fast fashion, de lançamentos constantes (dez modelos novos por semana) com grande apelo de moda, faz com que os consumidores sejam surpreendidos a cada visita aos pontos de venda. Não à toa, é comum que os clientes da marca tenham diversos modelos de óculos da empresa.

No mercado externo, a Chilli Beans projeta uma expansão mais acelerada. ?Já encontramos nosso ponto de equilíbrio. Temos no exterior uma operação mais delicada, pois o custo de mão de obra é maior e em alguns mercados, como os EUA, os consumidores estão acostumados a encarar o quiosque como um formato que oferece produtos mais baratos?, comenta Maia. Até mesmo por isso, no mercado americano as lojas de rua têm tido um desempenho melhor. ?Em 2015, abriremos lojas em Nova York e Miami e nosso plano é contar com mais 30 franquias nos próximos anos no país?, afirma. Em Israel, onde a marca conta com três pontos de venda, o objetivo é inaugurar outros 60 nos próximos quatro anos.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS