E-commerce movimentará US$ 53 bilhões em 2016

Relatório da Kantar Worldpanel prevê que mercado global de bens de consumo não duráveis crescerá US$ 17 bi (+47%) até 2016

Relatório baseado em análises dos hábitos de compra de 100 mil consumidores e lançado globalmente pela Kantar Worldpanel prevê que o comércio eletrônico será responsável pela movimentação de US$ 53 bilhões em vendas globais em 2016 – um aumento de US$ 17 bilhões (47%) sobre os atuais US$ 36 bilhões.

O estudo, que leva em consideração dez dos maiores mercados de consumo online do mundo, explicita quais empecilhos no online complicam a vida dos varejistas. De acordo com a Kantar, a maioria das marcas são apenas percebidas em vez de fazerem parte de toda a vida dos consumidores.

Segundo a consultoria, as compras on-line carregam um ?medo e um sentimento? que as vendas em lojas físicas estão canibalizadas e que os consumidores vão se tornar menos leais se fizerem compras pela internet. No entanto, a pesquisa mostra que isso cada vez mais não se comprova na prática para ambos os cenários.

O e-commerce será responsável por 5,2% das vendas globais em três anos, reajuste de 3,7% em relação aos números atuais. Atualmente os compradores on-line, tipicamente de classe média e alta, tendem a favorecer os produtos de marca própria tornando-se uma plataforma ideal para as marcas.

Segundo a Kantar Worldpanel, estratégias como compras por impulso, varejo on-line mais divertido e as últimas técnicas em lojas de conveniência estão sendo adotadas por empresas de e-commerce de todo o mundo para atrair cada vez mais os consumidores para o segmento.

Regiões

A pesquisa adianta que a Ásia será o próximo mercado de maior crescimento no mundo. A Coreia do Sul continuará com a sua posição de liderança nas vendas on-line (13,8% em 2016). O market share online de bens de consumo não duráveis continuará a crescer rapidamente em Taiwan e na China para alcançar 4,5% e 3,3%, respectivamente, de participação no mercado total.

Atualmente, o Reino Unido é o país da Europa que tem o e-commerce mais desenvolvido. Consumidores britânicos compram na internet uma vez por mês e seus carrinhos são cinco vezes maiores do que quando compram off-line. Mas a previsão é que a França (6,1% de marketshare) ultrapasse os países da rainha (5,5%) com o crescimento impressionante da oferta de ?click and collect?, conhecido como “Drive”. Na França, 55% dos consumidores on-line reutilizam a mesma lista para cada viagem, o que torna essencial para as marcas garantir um lugar nas listas de compras para que possam se beneficiar deste crescimento previsto.

A diretora global de Shopper and Retail da Kantar Worldpanel, Stéphane Roger, acredita que, embora o on-line tenha uma pequena participação nas vendas de produtos de bens de consumo não duráveis, todos os países estão testemunhando um crescimento considerável. ?O futuro pertence a varejistas e marcas que enxergam adiante e aproveitam as oportunidades oferecidas para ampliar seus targets. Demorar em adotar medidas on-line tem o potencial para danificar significativamente as vendas e prejudicar a participação de mercado”, aponta

Leia mais:

Mobilidade como meio

Outlet online teve 160 milhões de visitas

Pesquisa desvenda e-commerce de materiais de construção




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS