Banco Santander e Gemalto lançam serviços de NFC para universidades

Solução móvel possibilita professores, alunos e funcionários usarem seus celulares para tarefas cotidianas como o acesso aos prédios, realizar pagamentos e diversos outros serviços

Ter acesso aos prédios e realizar pagamentos dentro de algumas universidades na Espanha, Chile, México e Brasil ficará mais simples e prático. Através de um cartão microSD o Banco Santander, em parceria com a Gemalto, empresa global de segurança digital, está lançando esta solução que pretende agilizar tarefas cotidianas de professores, funcionários e alunos.

Essa inovação vem na esteira do sucesso do programa Smart Card Universidade do Banco Santander, que já é utilizado por mais de 7,1 milhões de pessoas espalhadas em 270 universidades de 12 países diferentes.

Reconhecido como o produto mais avançado desse tipo no mercado, o cartão MicroSD sem contato Optelio da Gemalto inclui atualmente 4GB de espaço em memória para o armazenamento de dados pessoais dos usuários, como fotos e vídeos, e oferece um suporte total aos aplicativos de emissão de bilhetes MIFARE.

A inovação da Gemalto evidencia um progresso na tecnologia de rádio, com uma transmissão aprimorada dos sinais de radiofrequência que garante um desempenho no maior número possível de celulares e ambientes operacionais.

"A partir da tecnologia microSD da Gemalto, os estudantes podem se beneficiar da velocidade e conveniência de um celular com NFC sem a necessidade de ter um aparelho habilitado para NFC", informa Vicente Prior, diretor da área de Produtos e Canais do Santander Universidades. "Essa é uma opção de implementação rápida que vai trazer uma série de serviços móveis sem contato a nossos clientes, ao mesmo tempo em que os ajuda a se habituar melhor a essa nova maneira de realizar transações."

"O programa Smart Card Universidade entra no universo móvel e esse passo permitirá que os estudantes utilizem serviços sem contato com a riqueza de recursos de um aplicativo móvel, além da capacidade de expansão que possibilita a inclusão de mais serviços inovadores no futuro", acrescenta Frédéric Vasnier. vice-presidente executivo de Software e Produtos Embarcados da Gemalto.

O novo dispositivo faz parte de uma linha mais ampla da Gemalto dedicada a elementos seguros projetados para atender às necessidades específicas de cada cliente em um mercado global diversificado. Ele vem complementar o atual portfólio de soluções de segurança para serviços móveis sem contato, junto com os cartões SIM e os elementos seguros incorporados.

A Gemalto e o Banco Santander apresentarão essa solução no 2º Congresso Internacional do Smart Card Universidade em Múrcia, na Espanha, no dia 10 de abril de 2014, proporcionando a cerca de 200 representantes de universidades de 12 países diferentes a oportunidade de utilizar e experimentar todos os recursos do novo cartão microSD.

Bertrand Michaux, diretor de contas globais da Gemalto, diz que o serviço já está disponível no Brasil e foi amplamente testado na UFF-Universidade Federal Fluminense, e que será gradativamente introduzido nas universidades que participam do programa Santander Universidades; ao redor de 100, em todo o Brasil. “O ambiente universitário é extremamente dinâmico, receptivo a novas tecnologias e a testes de novos conceitos, como o uso de telefone celular para pagamentos, acesso e transporte público”, acrescenta Michaux.

Além de pagamentos, acesso a locais e transportes públicos, a solução oferece, atualmente, as mesmas funcionalidades disponíveis nos cartões sem contato (contactless) distribuídos pelo Banco Santander nas universidades como, por exemplo, controle de presença nas salas de aula, locação de bicicletas, reserva de salas de esportes, acesso a bibliotecas, entre outros.

Para Bertrand Michaux, o brasileiro, em geral, sempre foi extremamente receptivo a novas tecnologias. “No Brasil, a utilização do pagamento por aproximação já é largamente utilizada no transporte público das grandes cidades e em mais de 1 milhão de estabelecimentos comerciais através dos terminais das empresas adquirentes. Isto significa que há um grande potencial para este tipo de tecnologia, uma vez que a base já está instalada e pronta para uso. O principal desafio nos próximos meses estará na comunicação e divulgação desta nova forma de pagamento para os estabelecimentos comerciais”, conclui.

 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS