O uso do ?white-label? para e-commerce

Serviço pode ser opção quando houver necessidade de melhorar o site de sua empresa

Rawpixel.com/ Shutterstock

Não importa o tamanho de sua empresa. Em algum momento você já deve ter sentido a necessidade de dar um ?upgrade? em inovação em seu site. Ou ainda, oferecer serviços que combinem mais funcionalidades e tecnologia. O problema é que muitos negócios esbarram em fatores como tempo, na criação de tecnologias próprias, além dos pesados investimentos com equipe e infraestrutura.

O dilema de empresas, principalmente as que atuam com plataformas de e-commerce e marketplaces, aos poucos, tem sido resolvido de forma prática e com melhor custo-benefício. Para mostrar aos clientes todos os seus diferenciais, as empresas têm buscado no formato de serviço white-label uma forma de agregar valor aos seus serviços.

A ideia é simples. As micro e pequenas empresas pegam ?emprestada? a tecnologia de uma fornecedora ? geralmente uma startup ? e a aplica no seu negócio. O sistema white-label funciona como um ?aluguel? da inteligência da fornecedora. A principal vantagem dessa modalidade é o custo reduzido para o e-commerce, ao mesmo tempo em que o consumidor final ganha um serviço mais avançado.

No caso da empresa Daily Baby, por exemplo, temos oferecido nossa plataforma para empresas de puericultura que desejam agregar valor ao seu serviço na web. Desta forma, os clientes que acessam o marketplace da loja online Mamãe eu Kero, por exemplo, agora contam com um diário virtual completo de seus filhos, além de um aplicativo exclusivo para tablets, uma tecnologia desenvolvida pela Daily Baby.

Como vantagem, a empresa pode personalizar o serviço, de forma que fique com identidade visual própria. Outro benefício é uma maior interatividade com seus clientes e desta forma fortalecer a marca, posicionando-se de maneira mais próxima. A fidelização do relacionamento e uma rica base de dados registrada no diário virtual são apenas algumas das vantagens de quem contrata a modalidade white-label da Daily Baby.

De fato, o sistema white-label acaba sendo positivo tanto para a empresa que contrata quanto para a startup que fornece. Não é a toa que esse modelo B2B tem crescido no Brasil. Mas para que o negócio tenha mais chances de prosperar é importante que a fornecedora invista em tecnologia e equipe, para dar uma boa estrutura de servidores e de apoio para quem contrata seus serviços.

*Anderson Gomes ? Formado em Administração pelo Mackenzie e Pós-graduado em Marketing Estratégico pela FGV, é CEO da startup digital 

Leia mais:

Gateway de pagamento evita prejuízo ao lojista

Serasa Experian lança indicador para e-commerce

E-commerce movimentará US$ 53 bilhões em 2016




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS