Carros nacionais avançam em índice latino-americano

Os últimos resultados da quinta fase de testes de colisão do Programa de Avaliação de Carros Novos na América Latina (Latin NCAP) mostram avanços importantes no desempenho de segurança dos veículos vendidos na América Latina desde que as análises começaram a ser realizadas há quatro anos, totalizando 34 veículos testados.  

 

Dois veículos obtiveram agora pontuação máxima depois que o Latin Ncap ampliou o grau de exigência e passou a cobrar um nível “europeu” de segurança dos carros fabricados e vendidos América Latina.

Atualmente para obter o índice máximo de cinco estrelas os novos modelos devem: ter bom desempenho no teste de impacto, sem que haja impactos que supõem lesões fatais aos ocupantes.

Carros com cinco estrelas no teste de impacto para adultos devem também ser aprovados no teste de impacto lateral seguindo a norma 95 das Nações Unidas. Ter quatro canais de freios com ABS (antiblocante). E precisa ter aviso no painel de instrumentos de que o cinto de segurança está desafivelado.

Além disso, a avaliação de segurança de “cadeirinhas” (assentos elevatórios para crianças) passou a exigir que os modelos estejam à venda pelas fabricantes dos carros (ou por lojas e redes distribuidoras autorizadas) nos três principais mercados da América Latina: Argentina, Brasil e México. O programa também ampliou a avaliação da segurança na área dos joelhos dos passageiros.

Também foi criado um programa independente de avaliação das cadeirinhas, para criar uma lista de bons fabricantes e modelos para que montadoras de carros e compradores possam decidir qual usar.

O objetivo é que os carros vendidos na América Latina e que também são encontrados em mercados da Europa, Ásia e nos Estados Unidos tenham níveis similares de segurança. De acordo com executivos e integrantes da equipe técnica do Latin NCAP, as mudanças servem para balizar novos padrões para fabricantes e para os governos, bem como ampliar a noção de segurança dos compradores de carros.

* Via PROTESTE




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS