"Novos Dinheiros"

Empresas não falham em prever o futuro, mas em imaginá-lo. Por isso, não angariam novos clientes

Em um ano cheio de adrenalina como este, cabe a pergunta: quanto tempo de seu dia é dedicado a criar ‘novos dinheiros’ para seu negócio? Quanto de seu tempo e de que forma você angaria novos clientes e novos mercados? Ou você fica o tempo todo disputando o mercado existente?

Muitas empresas debruçam-se com fervor no estudo e interpretação de ocorrências, presentes e passadas, do mercado em que atuam. Esta é essencialmente a dinâmica da construção de estratégias tradicionais da atuação mercadológica. Existem tantas ferramentas e informações disponíveis que há muito entretenimento para um pesquisador aplicado.

Tantas perguntas a serem respondidas, tantos movimentos da concorrência que precisam de melhor interpretação. Tanto tempo consumido para que os resultados finais sejam similaridades, táticas e estratégias recorrentes e indistintas, que podem levar, quando muito, a uma simples melhoria da performance atual da empresa.

O estudo do presente e do passado é uma excelente autópsia que auxilia o entendimento dos fatos presentes, mas pouco esclarece sobre as possibilidades futuras. E muito menos sobre as possibilidades de construção de um futuro diferente e mais próspero que o presente. Inegavelmente, é muito desconfortável estudar o futuro. O passado é conhecido, não irá mudar e não requer imaginação.

De fato, algumas empresas estudam o futuro. Porém, levam a dinâmica da autópsia para projetar cenários presentes para o futuro. Gary Hamel, consultor norte-americano, relembra que as empresas não falham em prever o futuro, mas em imaginá-lo. E por este motivo não angariam ‘novos dinheiros’.

E falham justamente porque se ancoram no seu passado, restringem-se à dinâmica de seu setor e desconsideram que vivemos a era das mudanças descontínuas e abruptas. São fileiras e fileiras de players pesquisando as mesmas fontes, freqüentando os mesmos eventos, monitorando os mesmos concorrentes, concluindo as mesmas reflexões e, em conseqüência, agindo exatamente da mesma forma, com variações cosméticas. E disputando o mesmo dinheiro.

Vivemos a era das mesmices em que o resultado são estratégias convergentes. Para ganhar novos dinheiros é preciso criar rupturas, estimular o pensamento não linear, criar e possibilitar experiências em vez de análises, curiosidade em vez de certezas, exploração em vez de limites, inventividade, emoção e sensibilidade.

Palavras muito distantes do dia-a-dia de negócios dos tempos atuais. Este é o preço dos ‘dinheiros novos’: o rompimento com o conforto da realidade conhecida. O rompimento com a forma usual de entender o mercado e sua dinâmica. É o preço para que o futuro não o surpreenda. E todas as vezes que voltamos ao futuro, criamos um presente diferente.

*Beth Furtado é autora do livro “Desejos Contemporâneos” e é sócia-diretora da ALIA, consultoria de marketing. É âncora do Programa Reclame no Radio sobre Marketing, Propaganda e Comunicação veiculado na Radio Estadão

 

 

 



As melhores maneiras de obter lucro andam de mãos dadas com bom atendimento ao cliente. Mergulhe nessa experiência nos dias 9 e 10 de setembro, no maior congresso sobre relacionamento com clientes e relações de consumo do mundo, com o tema ?As novas dimensões da experiência do cliente?. O 
Conarec reunirá milhares de profissionais e lideranças das mais importantes empresas do país para debater conceitos e ideias inovadoras relaconados ao tema.

Acompanhe o evento nas redes sociais:


Leia mais:

Educação e bom atendimento não são sinônimos no SAC

Inovação e sustentabilidade fazem bem

TAM impulsiona atendimento nas redes sociais






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS