PIB cai 0,6%, mas consumo das famílias mantém alta

Dados do IBGE divulgados hoje (29) mostram desempenho negativo da economia

 

O PIB (Produto Interno Bruto) do segundo trimestre apresentou queda de 0,6%, com ajuste sazonal, frente ao primeiro trimestre do ano, segundo dados divulgados hoje (29) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Entre os setores, serviços e indústria registraram queda no período, de 0,5% e 1,5%, respectivamente. Agropecuária registrou variação positiva de 0,2%.

O acúmulo de riquezas do Brasil também apresentou desempenho negativo quando a comparação é com o segundo trimestre de 2013. A queda foi de 0,9%. Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 1,27 trilhão no segundo trimestre.

A queda poderia ser maior, não fosse a despesa de consumo das famílias, que continua em crescimento. No segundo trimestre, o aumento foi de 1,2%. Segundo o IBGE, esta é a quadragésima terceira variação positiva consecutiva nessa base de comparação. O comportamento da massa salarial, com aumento real da massa de rendimento contribuiu para este resultado.

Considerando o acumulado do primeiro semestre de 2014, o PIB apresentou crescimento de 0,5% em relação ao mesmo período de 2013. Nesta base de comparação, destaque para o desempenho da Agropecuária (1,2%) e dos Serviços (1,1%). A Indústria, por sua vez, sofreu queda de 1,4%.

A taxa de investimento no segundo trimestre de 2014 foi de 16,5% do PIB, menor do que a taxa observada em igual período do ano anterior (18,1%). Já a taxa de poupança ficou em 14,1% no segundo trimestre de 2014, ante os 16,1% no mesmo trimestre do ano passado.

Foto: Shutterstock

Leia mais

Inadimplência entre as empresas cresce 7%

Produção baixa e estoques elevados

Intenção de compra interrompe sequência de quedas

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS