Com IOF em alta e sem planejamento, sonho das férias pode ser pesadelo

Se precisar de dólar então, fica mais complicado, uma vez que a moeda está em alta – R$2,33. Isso é um sinal bem claro de que, para quem não havia se programado corretamente, essa talvez não seja a melhor hora para se fazer essa viagem

Por: - 5 anos atrás

Férias é sempre uma época de muitos gastos, principalmente, quando se decide viajar. O ano virou e uma notícia piorou ainda mais a situação de quem estava planejando sair do país: o Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) incidente nos pagamentos em moeda estrangeira feitas com cartão de débito, saques em moeda estrangeira no exterior, compras de cheques de viagem (traveller checks) e carregamento de cartões pré-pagos com moeda estrangeira se igualou ao do cartão de crédito, indo de 0,38% para 6,38%.
 
Se precisar de dólar então, fica mais complicado, uma vez que a moeda está em alta – R$2,33. Isso é um sinal bem claro de que, para quem não havia se programado corretamente, essa talvez não seja a melhor hora para se fazer essa viagem; é melhor adiar ou mudar de destino. Para saber o que fazer com segurança, recomendo que faça um diagnóstico da vida financeira, sabendo exatamente quais são seus ganhos e gastos do mês, estando ciente de quanto poderá gastar nesse período.
 
É muito provável que tenha que cortar alguns passeios e compras da lista, para que o aumento do IOF e a alta do dólar não pesem tanto no orçamento, correndo o risco de cair em um endividamento. Um conselho que sempre dou é respeitar o padrão de vida, pois só assim é possível realizar sonhos sem precisar entrar em desespero depois para bancá-los, podendo até se tornar um inadimplente.
 
Precisamos tomar cuidado para não gastar o que não temos, com coisas que não precisamos, para impressionar, muitas vezes, pessoas que nem sequer conhecemos. Respeitar o dinheiro que passa por nossas mãos é o ponto principal para não perder o controle das finanças pessoais. Caso, depois de uma análise minuciosa do orçamento, você perceber que só será possível realizar a viagem tendo que parcelar tudo, é melhor nem fazer. O que era um sonho pode se tornar um verdadeiro pesadelo em poucos dias.
 
Então, reúna a família – inclusive as crianças – para falar sobre a situação financeira, para que todos possam colaborar nesse momento. Peça a ajuda de todos para pesquisar preço de pacotes de viagem e passagens de avião em, pelo menos, três lugares físicos e virtuais. Acredite, uma simples busca pelo menor preço pode diminuir significativamente os gastos. Se resolverem passear Brasil e de carro, não se esqueçam de fazer uma revisão completa e verificar documentação e seguro, pois, além de evitar acidentes, também ajudará a economizar com possíveis problemas que possam ocorrer.
 
Mas se decidirem ir para fora mesmo, com o aumento do IOF para cartões pré-pagos, vale mais a pena levarem 20% em espécie e o resto gastarem no cartão de crédito mesmo, pois, dessa forma, pode-se conseguir algumas vantagens, como o acúmulo de milhas para a próxima viagem ou para desconto em alguns produtos. No entanto, aconselho levar, no máximo, dois cartões de crédito, com vencimentos próximos e posteriores à data da viagem. Não se esqueça de informar a operadora, para que saiba que estará fora do país durante esse período.
 
E por último, um ponto muito importante: ninguém está livre de imprevistos, e passar aperto em outro país não é nada agradável. Por isso, procure levar de reserva de 30% a 50% do total do valor do passeio.

 

Leia mais:

Metade dos paulistanos pretende comprar bens no 1º. trimestre

Dinheiro na mão de brasileiro é vendaval?

Reclamações mostram problemas, mas também mudanças