VISITAS TÉCNICAS NRF 2014: Warby Parker

Com jeitão de biblioteca, ótica considerada a ?Netflix dos óculos?, oferece peças com design a preços módicos e nova tecnologia de entrega por tubo pneumático

 

A flagship da Warby Parker, no Soho, em Nova York, possui uma cabine para tirar fotos, um painel para agendamento de consultas com oftalmologista e um pequeno consultório ? a consulta sai por US$ 75.

Os modelos de óculos, todos com design e uma pegada vintage, estão expostos como livros em uma estante de biblioteca ? os livros estão agrupados por cor da capa, o que dá um efeito visual agradável. Duas grandes mesas compridas se estendem por toda a loja, com luminárias típicas das antigas bibliotecas de estilo inglês. Lembra, de longe, as AppleStore que também usam o recurso das mesas compridas. Mas a mesa da Warby Parker é também uma ferramenta de storytelling, pois traça uma linha do tempo desde a ideia da marca e as ações que marcaram sua trajetória, aproximando o consumidor desse universo.

Segundo a supervisora Hanna Mae, aos finais de semana a loja fica lotada. ?Comprar óculos não era divertido, nós mudamos isso?, referindo-se ao sem graça varejo de óticas.

A Warby Parker começou em um apartamento na Filadélfia (ele funcionava como showroom dos óculos expostos no e-commerce). Teve origem no Programa de Iniciação da Venture School (Universidade de Wharton), onde os quatro fundadores estudavam. Com US$2.500 de investimento do programa começaram as operações em fevereiro de 2010. Logo após o lançamento, a empresa foi destaque da Vogue.com, que a chamou de ?o Netflix dos óculos?, graças a sua proposta de enviar modelos para a casa do cliente escolher ? ele devolve os que não quer. Bicicletas também circulam por cidades escolhidas como um showroom móvel. A última rodada de financiamento no início de 2013, para expansão da operação, atingiu mais de US$ 40 milhões e contou com apoiadores como American Express. São cinco lojas, alguns showrooms espalhados pelos EUA e uma forte operação no ecommerce.

Outra ideia bacana da marca: a cada venda, remetem um par de óculos para crianças de países carentes. Tudo isso pela bagatela de menos de US$ 100 por óculos. Uma proposta de valor imbatível, com um forte apelo social. Suas vendas por metro quadrado são superiores à Tiffany’s, só perdendo para a Apple Store. O segredo? A experiência que oferecem é superior e como os óculos são um acessório de moda, muitos compram mais do que um par.

Entrega inspirada em Willy Wonka

A novidade da loja do Upper East side é uma entrega feita para os clientes por meio de um tubo pneumático, à moda do filme ‘A Fantástica Fábrica de Chocolates’. Ou seja, o consumidor compra no terceiro piso e pega seus óculos em outro pavimento, com a velocidade que os dias de hoje precisa, mas sem perder o jeito cativante que se tornou o diferencial da rede.






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

1

Omnichannel, personalização e empatia como tendências do pós-pandemia

2

Você sabe eleger o que é prioridade no trabalho?

3

Como Analytics e Inteligência Artificial potencializam a experiência do cliente

4

Produtos de “segunda mão” caem no gosto dos consumidores

5

Depressão em jovens cresce desde o início do isolamento; saiba identificar

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

10 painéis imperdíveis do CONAREC 2020

O que esperar do consumidor em 2022?

Streaming ganha espaço e se torna rotina para os brasileiros

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS