Na internet, tempo é o ativo mais rentável

Os resultados mostram que o brasileiro gasta em média 3h41 do seu dia navegando na internet. Essa informação pode ser uma boa oportunidade para o mercado criar novos modelos de negócio e usufruir da atenção prestada ao meio virtual

Por: - 5 anos atrás

Tempo é dinheiro. E a internet pode ser considerada uma preciosa fonte de renda quando nos baseamos nessa sentença. Apesar de ser acessada costumeiramente por menos de metade da população, a internet é o meio de comunicação que mais toma tempo dos brasileiros, é o que aponta uma pesquisa divulgada pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom-PR).

Os resultados mostram que o brasileiro gasta em média 3h41 do seu dia navegando na internet. Os entrevistados alegaram que ficam de segunda a sexta-feira, três horas e 39 minutos por dia na rede mundial de computadores. Aos sábados e domingos, a permanência do usuário na internet aumenta quatro minutos por dia. Essa duração é dez minutos maior do que o tempo gasto pelos brasileiros em frente à TV, cuja audiência atinge 97% da amostragem, sendo a maioria (65%) diariamente.

Segundo a Pesquisa Brasileira de Mídia 2014 – Hábitos de Consumo de Mídia pela População Brasileira, 26% das pessoas acessam a internet todos os dias. Percentual que se reduz à medida que diminuem os dias de acesso na semana, até atingir o mínimo de 4% de brasileiros que dizem entrar na internet pelo menos uma vez na semana.

Os jovens são a maioria das pessoas conectadas. Os dados indicam que 78% dos que têm entre 16 e 25 anos acessam a internet pelo menos uma vez por semana. Entre os idosos, com mais de 65 anos, o número cai consideravelmente, para 5%. A diferença também está na renda familiar, já que 78% das pessoas que possuem renda até um salário mínimo disseram nunca usar a internet, enquanto a percentagem cai para 25% entre as famílias que recebem cinco salários ou mais.

Curiosamente, no entanto, as informações buscadas pelos internautas não são as mais confiadas por eles, já que 53% afirmaram confiar poucas vezes em notícias de sites, redes sociais e blogs. Os dois últimos nunca são confiáveis para 20% dos entrevistados, e os sites não são críveis para 16% das pessoas.

Já quando a pergunta é sobre os endereços eletrônicos mais acessados, o Facebook lidera com 63,6% de segunda a sexta-feira e 67,1% nos fins de semana. O ranking dos cinco mais acessados é completado pelos sites Globo.com (7%), G1 (5,6%), Yahoo (5%) e Youtube (4,9%). Quando o questionário se refere aos sábados e domingos, a ordem se altera, mas os percentuais permanecem semelhantes.

O documento também revelou que os meios de comunicação públicos ainda não são lembrados espontaneamente pelos brasileiros. Para a pesquisa, foram entrevistadas 18.312 pessoas de todos os estados brasileiros, em 848 cidades. A publicação tem margem de erro de 1 ponto percentual para mais ou para menos.

Oportunidade para o mercado

Tendo em vista o tempo que o internauta brasileiro passa em frente ao computador ou acessando a internet por meio de seu smartphone, o mercado pode usar esse dado em favor da monetização de seus produtos.

Uma pesquisa realizada pela ExactTarget – multinacional de marketing e comunicação digital –, mostrou que 70% dos profissionais do setor de marketing em todo o mundo planeja aumentar os investimentos em marketing digital em 2014. Baseado em um estudo realizado com mais de 2.500 participantes, o relatório State of Marketing 2014, mostra que os investimentos ocorrerão em tecnologias para análise de dados (61%); automação de marketing (60%); e-mail marketing (58%); mídias sociais (57%) e gerenciamento de conteúdo (57%).

Hoje em dia tempo passou a ser um ativo precioso para as empresas, conseguir a atenção do público-alvo já é uma vitória. Quem ganha com isso? Toda a cadeia econômica, que tem a oportunidade de criar novos modelos de negócio e fomentar, assim, mais avanços tecnológicos.

 

Leia mais:

Falta de dinheiro prejudica mais brasileiros do que dos europeus

Recall: amadurecimento de consumidores e fornecedores

Ranking classifica práticas ecológicas e sociais das empresas