Visitas técnicas NRF 2014: um panorama

Paralelamente à NRF 2014, várias visitas técnicas foram organizadas para que o grupo BTR NOVAREJO conhecesse de perto os bastidores de operações varejistas como a da icônica loja da Apple na Quinta Avenida, organizada pela analista do Consulado Geral dos Estados Unidos, Denise Barbosa. ?Fomos recebidos pelo gerente da loja que explicou como funcionam as trocas, o atendimento e a nova forma de pagamento a partir de um aplicativo que permite ao cliente fechar a compra sem ter contato com nenhum vendedor e sair da loja com o produto?, lembra ela que ficou bem impressionada com a inovação. Estavam no roteiro de visitas também a loja da Disney na Times Square, a nova da Harley Davidson, a unidade da rede de farmácias Duane Reade em Wall Street, que se diferencia pela enorme oferta de serviços (como salão e engraxate) e conveniências (como sucos na hora e pratos prontos gourmet), além das lojas B&H e Warby Parker e do salão Devachan voltado a mulheres com cachos, comandado pelo brasileiro Denis da Silva, que deu o caminho das pedras para quem deseja se aventurar pelo mercado americano. Aqui vale a pena abrir um parêntese. Na B&H, o grupo foi recebido por Felipe Meireles, um brasileiro que há sete anos integra o time da famosa loja de produtos eletrônicos, mais especificamente câmeras. Começou como vendedor e hoje faz parte da equipe que dá suporte a turistas ? novo foco da marca antes voltada ao consumidor profissional. Meireles passeou com o grupo por todos os departamentos da loja, explicando o funcionamento da política de gestão de pessoas e a curiosa esteira que integra o estoque no porão com as ilhas no piso superior, enviando os produtos diretamente para o caixa, reduzindo perdas e roubos. Já na flagship da Warby Parker, a supervisora Hanna Mae contou sobre a proposta diferenciada da empresa que começou num apartamento na Filadélfia (ele funcionava como showroom dos óculos expostos no e-commerce). A loja se assemelha a uma biblioteca e guarda espaço para uma sala de exames ? o cliente marca hora com um oftalmologista ao preço de módicos US$ 75. Segundo Hanna, aos finais de semana a loja fica lotada. ?Comprar óculos não era divertido, nós mudamos isso.?






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS