A hora do mobile é agora

Há uma loja em potencial no bolso de cada consumidor. 20% das compras online já são via dispositivos móveis

Um estudo da PayPal divulgado no final de novembro projeta que as compras via dispositivos móveis ocuparão uma parcela cada vez maior do e-commerce e crescerão +45% em 2015 e +42% no ano seguinte, correspondentes a R$ 10,6 bi e R$ 15,1 bi, respectivamente. Para 2014, estimativa é que o m-commerce transacione R$ 7,3 bi (+50% em relação a 2013, quando movimentou R$ 4,8 bi)

Há uma loja em potencial no bolso de cada consumidor. Outra pesquisa recente, essa da Internet Retailer Mobile 500, indica que tablets e smartphones serão responsáveis por uma em cada cinco compras online feitas neste ano no mundo. O estudo, que ouviu as 500 maiores varejistas globais do planeta, traz uma previsão para o próximo ano em mercados como Estados Unidos, China, Reino Unido, Rússia, Brasil e outros 16 países.

A pesquisa mostra que 23% das vendas por comércio eletrônico serão originados a partir de um dispositivo móvel. Em 2012, o percentual estava em 11%. A Internet Retailer Mobile 500 foca, principalmente, no mercado americano: são ouvidas 366 empresas dos EUA, 47 do Reino Unido, 15 da China, da França e da Alemanha, cinco do Brasil e da Rússia, entre outros países.

O valor consumido deve chegar à casa dos US$ 83,8 bilhões, um crescimento de 80% na comparação com o movimentado em 2013 pelo m-commerce.

No Brasil, o cenário segue a mesma tendência. Em 2010, era zero o share do m-commerce no total do volume transacionado no comércio online. Em junho de 2011, a participação era tímida (0,3%), mas agora cresce rapidamente: da metade de 2013 até a metade de 2014, as compras mobile praticamente dobraram em volume – de 3,6% para 7%, segundo os dados do relatório Webshoppers 2014, conduzido pela consultoria E-bit.

Já o faturamento destas transações mais que dobrou, na comparação com o mesmo período em 2013, passando de R$ 560 milhões para R$ 1,13 bilhão (alta de 102%). De janeiro a junho de 2013 foram feitos 1,278 milhão de pedidos, o que neste período em 2014 chegou a 2,890 milhões.

Os tablets são a plataforma por onde se efetuam 60% das compras, enquanto os smartphones ficam com a diferença e uma boa parte delas ainda é feita pelos sites das lojas, sem qualquer aplicativo dedicado.

BOX Maiores redes de varejo (em número de lojas e faturamento)

Está no mobile?

Maiores comércios on-line (em número de visitantes únicos)

Está no mobile?

Pão de Açúcar

Sim

Mercado Livre

Sim

Carrefour

Não¹

B2W (Submarino, Americanas.com e ShopTime)

Sim

Walmart

Sim

Buscapé Company

Sim

Lojas Americanas

Sim

Nova Pontocom

Sim

Cencosud

Não²

Walmart

Sim

Magazine Luiza

Sim

Netshoes

Sim

Máquina de Vendas

Sim

Alibaba.com

Sim

Grupo Boticário

Sim

Magazine Luiza

Sim

Makro

Sim

Maquina de Vendas

Sim

Raia Drogasil

Não³

Livraria Saraiva

Sim

Fonte: Ibevar 2013-2014; comScore 2014

¹Loja on-line do Carrefour foi fechada em 2012; aplicativo mobile e comércio on-line seguem abertos na França e em outros mercados da empresa

²Aplicativos e compra on-line só disponíveis no Chile

³Apesar de não estar nos celulares, a empresa tem o e-commerce www.drogaraia.com.br e www.drogasil.com.br

Leia mais:

Varejo cada vez mais mobile

Vendas além dos muros

E-commerce nacional crescerá 17% em 2015




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS