Ano novo, crise velha: kit economizador é entregue em SP

Sabesp aposta na ação para diminuir o consumo hídrico no estado. Além disso, entrou em vigor multa para quem aumentar o uso de água

No mês de fevereiro o estado de São Paulo completa um ano de crise hídrica e a Sabesp iniciou, no dia 5 de janeiro, a entrega de kits economizadores de água para torneiras em bairros da zona norte da capital, região abastecida pelo Sistema Cantareira. De acordo com a companhia, em dois meses todos os clientes da Grande São Paulo terão recebido os kits. O material contém quatro redutores de vazão. O sistema é simples e capaz de reduzir em até 20% o consumo dos dispositivos de água.

Confira no vídeo abaixo como o kit funciona.

O novo secretário de Saneamento e Recursos Hídricos, Benedito Braga, disse que as soluções a curto prazo para a crise estão restritas às chuvas e à diminuição do consumo de água pela população. “No prazo de seis meses, você não consegue fazer nenhuma obra. O que nós queremos é que o consumidor consuma menos. A curtíssimo prazo, é isso que tem de ser feito”, disse ele, em entrevista ao programa Fantástico, da TV Globo, no domingo.

Além da entrega dos kits, a Sabesp também entregará caixas d?água a comunidades de baixa renda. A medida deve adequar a capacidade de reserva dos imóveis, para garantir o abastecimento por um período de até 24 horas. Para receber o equipamento a residência passa por uma avaliação e é necessário que a família comprove renda de até três salários mínimos.

Também já está em vigor a multa para quem aumentar o consumo de água. A medida prevê sobretaxa de 20% na conta para quem não reduzir o consumo ao padrão de gasto anterior à crise (fevereiro de 2013 a janeiro de 2014), e de 50% para quem consumir 20% ou mais do que a média pré-seca.

Segundo Alckmin, os clientes que conseguirem justificar o aumento do consumo de água, como famílias que cresceram em 2014, ficarão isentos da multa. Para o presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Ordem dos Advogados do Brasil em São Paulo (OAB-SP), Marco Antonio Araújo Junior, a sobretaxa, da forma como foi anunciada, é “abusiva e ilegal”.

“A lei determina que essa tarifa só poderá ser aplicada após declaração pública de racionamento. Não estamos inventando isso, está na lei”, disse Araújo. Para a Sabesp, o racionamento já foi decretado pelos órgãos gestores do Cantareira, que determinaram a redução de 40% na retirada do manancial desde o início da crise. Com a sobretaxa, a companhia espera economizar 2,5 mil litros por segundo de 446 mil clientes que aumentaram o consumo.

Com informações dos portais Ciclo Vivo e Diário do Grande ABC.

Leia mais:
Crise hídrica: parceria estadual e apoio federal podem ajudar
Água: a responsabilidade é do homem racional
Crise hídrica e suas consequências para a economia e os negócios
 






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS