Cinco tendências tecnológicas que transformarão a indústria

A união de forças entre empresas, clientes e dispositivos digitais afetará mercados, a economia e a forma como os negócios serão conduzidos entre os próximos três e cinco anos

A pesquisa global da Accenture ?Accenture Technology Vision 2015? com mais de 2 mil executivos de negócios e TI, constatou que quatro em cinco entrevistados acreditam que, no futuro, os limites da indústria estarão fundidos em ecossistemas interconectados.  

De acordo com Paul Daugherty, diretor de tecnologia da Accenture, agora que o digital tornou-se parte do seu DNA operacional das companhias, ?as corporações ampliam suas fronteiras para alavancar um ecossistema de negócios digitais mais amplo, enquanto dão forma a próxima geração de produtos, serviços e modelos de negócios?.

Veja cinco tendências tecnológicas destacadas pelo estudo:

1. A ?Internet of Me?

O mundo altamente personalizado.  Objetos do cotidiano estão acessíveis online, assim como as experiências – a criação de canais digitais que tangem vários aspectos da vida dos indivíduos. Os novos canais, que as empresas têm utilizado ou experimentado para envolver os clientes, incluem wearables (citado por 62% dos entrevistados), TVs conectadas (68%), carros conectados (59%) e objetos inteligentes (64%).  Empresas com visão no futuro estão mudando a forma de construir aplicativos, produtos e serviços. Como resultado, as companhias criam experiências altamente personalizadas para envolver e entreter os clientes. A maioria (60%) tem visto um retorno positivo relacionado ao investimento em tecnologias de personalização. As empresas que tiverem sucesso nesta nova “Minha Internet (Internet of Me)” se tornarão a próxima geração de nomes conhecidos.

No Brasil, 36% das empresas consultados utilizam ou experimentam wearables, como o Google Glass (34%), além de veículos conectados (36%) e objetos inteligentes, como robôs (41%) para engajar consumidores.  

 

2. Economia de Resultados

Hardware produzindo resultados sólidos. O hardware inteligente supera a última lacuna entre a empresa digital e o mundo físico. Como as principais companhias adotam a Internet Industrial das Coisas (IoT), elas descobrem oportunidades para incorporar hardware e sensores e usar esses componentes conectados para fornecer aos clientes o que eles realmente querem: não mais produtos ou serviços, mas resultados expressivos. De fato, 87% dos entrevistados reconheceu que essa tendência leva as organizações a mudarem cada vez mais a mentalidade da venda de produtos ou serviços para a busca de resultados. 84% dos respondentes apontaram ter compreensão de como os produtos estão sendo utilizados e o que os clientes esperam como efeito da inteligência atual atrelada nos produtos.  Estes “desreguladores digitais” sabem que ficar à frente já não se aplica em apenas vender coisas, mas em atender.  Esta é a nova “Economia de Resultados”.

No Brasil, 44% dos entrevistados concordam que o uso de hardwares inteligentes trará resultados, enquanto outros 44% acreditam fortemente nesta afirmação.

 

3. A (R)evolução das Plataformas

Ecossistemas definidos, indústrias redefinidas.  Plataformas de indústrias digitais e ecossistemas alimentam a próxima onda de inovação e crescimento disruptivo. 75% dos entrevistados acreditam que a próxima geração de plataformas será liderada não por grandes empresas de tecnologia, mas por players de mercado e líderes industriais.  E quase três quartos (74%) têm usado ou experimentado plataformas industriais para integrar os dados com parceiros de negócios digitais.  Os rápidos avanços na nuvem e mobilidade não só eliminam as barreiras de custo e tecnologia associadas com tais plataformas, mas permitem a abertura deste campo de atuação para as empresas de todos os setores e regiões geográficas.  Em suma, os ecossistemas baseados em plataforma são o novo plano para competir.

 

4. Empresa Inteligente

Dados imensos + sistemas mais inteligentes = melhor negócio.  Até agora, os softwares avançados ajudaram as empresas a tomarem decisões melhores e mais rápidas.  Mas com a chegada do big data – e os avanços no poder de processamento, ciência de dados e tecnologia cognitiva ? a inteligência de software tem ajudado as máquinas a tomarem decisões melhores. De acordo com 80% dos nossos entrevistados os aplicativos e ferramentas assumirão uma inteligência mais semelhante à humana. Para 78% dos executivos, o software em breve será capaz de aprender e se adaptar ao nosso mundo e tomar decisões com base nas experiências previamente vividas.

 

5. Força de Trabalho Reinventada

Colaboração entre humanos e máquinas. O impulso para entrar na era digital amplia a necessidade de seres humanos e máquinas realizarem atividades conjuntamente. A maioria das empresas respondentes da pesquisa (57%) tem adotado tecnologias que permitem aos usuários executar tarefas que antes exigiam especialistas de TI, tais como a visualização de dados.  Os avanços em interfaces naturais, dispositivos portáteis e máquinas inteligentes apresentam novas oportunidades de capacitação de funcionários por meio da tecnologia.  Isso também promoverá novos desafios na gestão de uma força de trabalho que pedirá a colaboração entre pessoas e máquinas. 78% dos executivos entrevistados concordam que as empresas de sucesso gerenciarão os funcionários ao lado de máquinas inteligentes – garantindo a colaboração entre os dois.  E 77% dos entrevistados acreditam que dentro de três anos, as empresas terão de se concentrar no treinamento de suas máquinas, do mesmo modo que eles fazem o treinamento de seus funcionários (por exemplo, usando o software inteligente, algoritmos e aprendizagem de máquina).  As empresas líderes vão reconhecer os benefícios do talento humano e tecnologia inteligente colaborando lado a lado – e vão incorporar membros críticos da força de trabalho reinventada.

 

Internet das Coisas Industrial

O relatório ainda dá exemplos de como as empresas utilizam ecossistemas digitais para oferecer novos serviços, remodelar experiências e ter acesso aos novos mercados.  Segundo a pesquisa, 35% dos entrevistados já utilizam APIs (Interface de Programação de Aplicações) de parceiros para integrar dados e colaborar com pares de negócios, outros 38% planejam fazê-lo.  

Um exemplo é a Home Depot, que trabalha com fabricantes para garantir que todos os produtos conectados vendidos sejam compatíveis com o sistema conectado Wink – criando assim o seu próprio ecossistema.
A Philips, em parceria com a Salesforce, adotou uma abordagem semelhante para construir uma plataforma, reformular e otimizar a maneira como a assistência médica é fornecida.  A plataforma criará um ecossistema de desenvolvedores de aplicativos que permitirá a colaboração e fluxo de trabalho entre médicos e pacientes.  

Com o uso desses ecossistemas digitais, a Home Depot, Philips e outras empresas têm a capacidade de crescer e gerar novas fontes de receita que não poderiam ser alcançadas isoladamente.  

Fonte: Accenture






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS