Internet segura: as três maiores e mais comuns ameaças à privacidade

Algumas atitudes simples tomadas por quem navega regularmente na web podem colocar em risco o que temos de mais precioso nos dias de hoje: nossas informações. Conheça essas ameaças e aprenda a prevenir-se

No Dia Mundial da Internet Segura, o conceito de segurança na rede parece ainda estar longe da prática dos internautas.  Na visão de Gisele Arantes, especialista em direito digital e sócia do Assis e Mendes, as pessoas não foram educadas para usar corretamente e de forma segura a internet. “A internet surgiu e com ela não veio um manual de instruções de como utilizá-la com segurança”, disse. O grande problema, segundo a especialista, é que o mau uso pode acarretar uma série de consequências negativas para a vida de uma pessoa, desde exposição, rastreamento até atos ilícitos.

E em tempos de internet das coisas, a falta de segurança durante a conexão torna-se um problema ainda maior. Já que a invasão não acontece mais apenas via computador, ocorre via smartphone, smart TV e por meio de qualquer dispositivo doméstico conectado a uma rede.

52% dos brasileiros com acesso móvel à Internet têm medo de baixar aplicativos e 42% citam a confiabilidade como fator mais importante na hora de escolher um aparelho móvel novo. Os dados são da pesquisa anual Global Consumer Trust Report, realizada pela  AVG Technologies, empresa de segurança on-line com mais de 188 milhões de usuários ativos, em parceria com a MEF, a comunidade global para conteúdo e comércio mobile.

A pesquisa foca no impacto da confiança para as escolhas de serviços e produtos mobile e mostrou que os consumidores estão cada vez mais conscientes de que aplicativos e serviços móveis estão captando e utilizando suas informações pessoais para fins comerciais.

Termos e condições
Se você opta por não dividir seus dados com as empresas, pode querer prestar mais atenção aos  ?termos e condições de uso? dos sites, redes sociais e e-commerces. Por trás daqueles milhares de palavras aparentemente desconexas, complicadas e, acima de tudo, chatas, se esconde a permissão que VOCÊ dá de acesso aos seus dados, desde preferências até os lugares que frequenta simplesmente ao clicar em ?aceito os termos e condições?.

Cookies
Apesar do nome simpático, os cookies também são um infortúnio para quem quer passar despercebido na rede. Sabe a ?mágica? que os sites fazem ao mostrar exatamente o anúncio daquele produto que você procura (provavelmente porque já fez uma busca relacionada a ele)? Isso acontece porque os cookies rastreiam toda a informação que você disponibiliza ao acessar uma página.
Apesar de não ser esse o intuito, arquivos temporários da web, ou cookies, usados pelos sites para facilitar o seu acesso, podem facilitar o trabalho de pessoas que pretendam vasculhar o seu computador enquanto você estiver ausente. Até mesmo um hacker pode invadir a sua privacidade através deles.

Instalação de programas
Cuidado com o que você instala. Programas de origem desconhecida podem deixar como rastro os chamados spywares. Estes softwares, muitas vezes maliciosos (também chamados de malwares), podem vigiar e compartilhar seus hábitos de navegação e dados pessoais, que são enviados para os responsáveis pelo software malicioso. Difíceis de serem detectados, estes pequenos espiões podem ser removidos do computador através de softwares específicos ? existem vários gratuitos.

 

Leia mais:

Computadores estão com os dias contados? Parece que sim

Conheça os aplicativos que podem ?competir? com o Instagram

Chegou a vez dos negócios conectados e compartilhados

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

As IDENTIDADES do novo consumidor sem rótulos #CM25ANOS

Futuro incerto? O que pensam os futuristas em tempos de crise social

“Contágio” e outros filmes sobre epidemias para ver dentro de casa

Manu Gavassi e sua brilhante estratégia de branding. O que as marcas podem aprender com ela?

A ascenção das newsletters

VEJA MAIS