14 dicas para diminuir o consumo de energia

O aumento no valor das contas de luz não é brincadeira: a Aneel aprovou até 39,59% de acréscimo para as concessionárias do país

Que a crise hídrica afeta o setor de energia não é novidade, desde janeiro o sistema de bandeiras tarifárias está em vigor. Elas indicam se a energia custará mais ou menos, em função das condições de geração de eletricidade. Na última sexta-feira, dia 27, a Agência Nacional de Energia Elétrica ? Aneel aprovou aumento na taxa extra dessas bandeiras.

A bandeira verde indica condições favoráveis de geração de energia e a tarifa não sofre nenhum acréscimo; a bandeira amarela indica condições de geração menos favoráveis e a tarifa sofre um acréscimo de R$ 2,50 para cada 100 quilowatt-hora (kWh) consumidos, aumento de 66,66% em relação ao R$1,50 cobrado anteriormente; e a bandeira vermelha indica condições mais custosas de geração e a tarifa sofre um acréscimo de R$ 5,50 para cada 100 kWh consumidos, um aumento de 83,33% em relação aos R$ 3 cobrados entre janeiro e fevereiro.

Com esse mecanismo, haverá, portanto, uma sinalização mensal do custo de geração da energia elétrica que será cobrada do consumidor quando as bandeiras amarela e vermelha forem acionadas. Essa sinalização da ao consumidor a oportunidade de gerenciar melhor esses custos e adaptar o consumo de eletricidade, por meio de ações de eficiência energética.

As bandeiras tarifárias são válidas para todo território nacional exceto os estado do Amazonas, Amapá e Roraima, porque eles ainda não estão plenamente conectado ao Sistema Interligado Nacional.  

E para piorar, ainda na sexta-feira, 27, a Aneel aprovou, também, um aumento médio de 23,4% nas contas de luz. Para as concessionárias das regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, o impacto médio será de 28,7% e, para as distribuidoras que atuam nas regiões Norte e Nordeste, de 5,5%. A diferença ocorre principalmente por causa do orçamento da CDE ? Conta de Desenvolvimento Energético ? e da compra de energia proveniente de Itaipu.

Segundo a Aneel, a revisão leva em consideração diversos fatores, como o orçamento da CDE deste ano, o aumento dos custos com a compra de energia da Usina de Itaipu – por causa da falta de chuvas -, o resultado do último leilão de ajuste ? que aumentou a exposição das distribuidoras ao mercado livre ? e o ingresso de novas cotas de energia hidrelétrica.

?No ano passado e neste ano, o custo da energia elétrica tem sido realmente alto, porque o regime hidrológico não está favorável, temos despachado todas as térmicas, que têm um custo mais alto?, explicou o diretor-geral da Aneel, Romeu Rufino.

Veja a lista das distribuidoras e o respectivo aumento:
AES Sul ? 39,5%
Bragantina ? 38,5%
Uhenpal ? 36,8%
Copel ? 36,4%
RGE ? 35,5%
CNEE ? 35,2%
Cocel ? 34,6%
Muxfeldt ? 34,3%
Demei ? 33,7%
Caiua ? 32,4%
Forcel ? 32,2%
Eletropaulo ? 31,9%
CFLO ? 31,9%
Hidropan ? 31,8%
CPFL Paulista ? 31,8%
EDEVP ? 29,4%
CPFL Piratininga ? 29,2%
Cemig ? 28,8%
Enersul ? 27,9%
DME-PC ? 27,6%
Celg ? 27,5%
Eletrocar ? 27,2%
Eflul ? 27%
Energisa MG ? 26,9%
Cemat ? 26,8%
Escelsa ? 26,3%
ENF ? 26%
Bandeirante ? 24,9%
Celesc ? 24,8%
Elektro ? 24,2%
CEB ? 24,1%
Ienergia ? 23,9%
CJE ? 22,8%
Light ? 22,5%
CEEE ? 21,9%
CSPE ? 21,3%
Chesp ? 21,3%
Santa Maria ? 21%
Eletroacre ? 21%
Cooperaliança ? 20,5%
Joaocesa ? 19,8%
CPEE ? 19,1%
Ceron ? 16,9%
Mococa ? 16,2%
Coelce ? 10,3%
CPFL Santa Cruz ? 9,2%
Energisa SE ? 8%
Sulgipe ? 7,5%
Energisa Borborema ? 5,7%
Coelba ? 5,4%
Ceal ?  4,7%
Celtins ? 4,5%
Energisa PB ? 3,8%
Celpa ? 3,6%
Cepisa ? 3,2%
Cemar ? 3%
Cosern ? 2,8%
Celpe ? 2,2%

Confira abaixo algumas dicas para diminuir o consumo de energia elétrica.

Dentro de Casa:

*Troque as lâmpadas incandescentes pelas fluorescentes, além de durarem mais, elas utilizam menos energia. Confira algumas dicas sobre lâmpadas aqui;

*Não deixe as luzes de cômodos vazios acesas;

*Pintas as paredes internas e do teto de cores claras, elas refletem e espalham a luz para todo o ambiente;

*Durante o dia mantenha cortinas e janelas abertas, aproveite ao máximo a luz do dia;

*Mantenha os lustres sempre bem limpos para aproveitar ao máximo a potência das lâmpadas;

*Lembre-se de manter os filtros do ar condicionado bem limpos. Um ar condicionado sujo representa 158 quilos de gás carbônico a mais na atmosfera por ano;

*Máquina de lavar roupa, louças e ferro de passar consomem um nível de energia muito alto. Acumule roupas e louça o suficiente para encher suas respectivas máquinas de lavar, e passe o maior número de roupas em um único dia. Além disso, retire as roupas da máquina assim que o processo de lavagem terminar. Assim você evita que elas fiquem mais amasadas;

*TV, dispositivo de wi-fi, telefone, micro system, aparelho de TV a cabo e o tocador de DVD player, todos os eletroeletrônicos ligados em stand by. Se tirar todos esses aparelhos da tomada, você economiza energia para mantê-los ligados por outros quatro meses;

*Troque aquele benjamim antigo por uma régua de tomadas. O acúmulo de aparelhos numa mesma tomada pode causar aquecimento e aumentar as perdas elétricas;

*A geladeira gasta tanto quanto o chuveiro elétrico, mas mantê-la ao lado do fogão prejudica o bom funcionamento de ambos. Além disso, não utilize a parte de trás do eletrodoméstico para secar panos ou pequenas roupas e descongele-a com frequência, o acúmulo de aparelhos numa mesma tomada pode causar aquecimento e aumentar as perdas elétricas.

No trabalho:

*Dê preferência a aparelhos que consumam menor quantidade de energia, como notebooks, computadores, impressoras e copiadoras;

*No final do expediente, tire os aparelhos da tomada;

*Desligue o monitor do computador ou coloque a máquina em modo de economia de energia, quando não estiver no ambiente;

*Use papéis usados para rascunho.

Com informações dos portais Terra, Atitudes Sustentáveis e Aneel.

Leia mais:
Apague a luz, a energia (também) corre risco
A melhor energia é aquela que nós conseguimos economizar
Energia limpa: a mudança começou (enfim) de cima
 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS