Empregos: o que querem e como agem os brasileiros?

Maioria prefere trabalhar com o que gosta e ganhar menos. Busca de informações nas redes sociais também é parte do processo

Por: - 4 anos atrás

Estar feliz com a vida profissional, amar o que faz, trabalhar no emprego dos sonhos, não são tarefas das mais fáceis. Para entender o que o brasileiro pensa sobre o ?Emprego dos Sonhos?, a Catho, site de empregos líder no Brasil, realizou uma pesquisa que mostra as características que eles mais valorizam na vida profissional.

Para 43,4% dos respondentes, a Qualidade de Vida é o que melhor define o ?Emprego dos Sonhos?. Já para 13,2% e 12,9, Horário Flexível e Autonomia nas Decisões, respectivamente, são as principais características.

Perguntados se preferem ganhar bem mesmo que não façam o que realmente gostam ou trabalhar com o que realmente gostam mesmo que ganhem menos, a 81% diz preferir a primeira opção e dão mais valor a fazer o que gosta em relação ao salário.

?As pessoas estão buscando mais qualidade de vida e mais tempo com a família. Tanto homens como mulheres preferem ter um trabalho que o realize mesmo que tenha um salário menor nesse emprego. Fazer algo que realmente se consiga entregar um resultado que satisfaça a empresa e, principalmente, a si e fazer a diferença, são características que acabam refletindo na realização do trabalho ou o emprego dos sonhos?, comenta Luís Testa, head de Pesquisa e Estratégia da Catho.

Ao buscar mais informações sobre um empregador, 49% dos brasileiros buscam mais detalhes nas redes e comunidades sociais. Esse índice faz parte de uma pesquisa lançada pela consultoria Universium com a CNN Money, que entrevistou estudantes das áreas de negócios e engenharia em 12 países, incluindo o Brasil. De acordo ainda com o estudo, o segundo lugar na preferência é para os sites de carreiras das companhias, com 40%.

Para Andressa Schneider, responsável pelo conteúdo da 99jobs.com, comunidade de carreira voltada principalmente para jovens entre 18 e 24 anos, a busca por informações sobre as organizações é essencial. ?Muito mais do que guiar-se por uma descrição de cargo, é necessário entender que organização é aquela, e quem trabalha lá?, defende.

 

Leia mais:

Empreendedorismo feminino no Brasil: os números do poder

A “marca Brasil”: percepções de quem vem de fora

Videogame: o esporte preferido dos brasileiros