Como o impacto social pode engajar consumidores?

Afinal, hoje em dia o produto é causa, não efeito. O que se leva e perdura é a experiência

Engajar consumidores é a intenção de dez entre dez empresários. Mas apesar de a ideia ser linda, tirar isso do papel ou da imaginação não é tão automático quanto possa parecer.

?Pegar o que o cliente quer e levar para a criação do dia a dia é importante para que isso aconteça?.  É o que diz Zita Cassizi, Chief Digital Officer da Toms, varejista norte-americana de calçados, durante o South By Southwest, em Austin, Texas.

Zita aponta algumas maneiras de as startups usarem sua missão para construir uma base apaixonada e fiel de fãs que possam tornar-se a mais poderosa força de uma empresa. Fãs, não apenas clientes.

Para exemplificar, Zita afirma que é necessário encontrar uma forma multidimensional de o consumidor experimentar a marca, no caso da Toms, eles usam até mesmo ônibus e vans que viajam pelo país para fortalecer o nome da empresa.

Mas como fazer o social trabalhar para a sua empresa?

A Toms usou uma tática ousada: uma vez ao ano realizam o evento One Day Without Shoes, em que, como o próprio nome diz, convida as pessoas a ficarem descalças por um dia inteiro, a fim de conscientizar e engajar em relação à importância da saúde e educação. Ousado porque convida a esquecer por um dia do core da empresa. Bem sucedido porque associa o desconforto de descalçar a uma causa que cria um pouco mais que desconforto em milhões de crianças. ?Começou como um movimento mas tornou-se uma forma de a marca dizer quem é, a que veio e envolver as pessoas?, explica.

A ação hoje envolve igrejas, escolas e comunidades inteiras. ?Pense nos seus pontos de contato e como a comunidade pode se engajar com você, como as pessoas falam da sua marca?. Recomenda Zita.

Em um mundo em que 80% dos clientes não é mais fiel a uma marca ou empresa depois de no máximo um ano, engajar em causas é maior do que tentar qualquer ação de branding meramente baseada no produto. Afinal, hoje o mundo dos negócios, o lucro e a relação não é mais baseada no produto, o que se leva e pode perdurar é a experiência.

 

Leia mais:

Cinco tendências comportamentais inevitáveis

Como podemos salvar o mundo com vinte dólares

Internet das coisas: o limite entre praticidade e privacidade






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS