Já pensou em acessibilidade sem tirar a escada?

A inovação pode ajudar nos casos de edifícios com degraus até a entrada

As soluções mais comuns, hoje, para proporcionar acessibilidade aos cadeirantes são as grandes rampas. No entanto, elas ocupam muito espaço, nem sempre disponível para esse tipo de instalação. O Sesame, criado pela empresa britânica Allgood Trio, é um novo sistema que garante a acessibilidade ao mesmo tempo em que funciona como uma solução discreta e esteticamente agradável para o edifício.

Esteticamente a solução é perfeita. Ela mantém as escadas em seu formato normal, mas quando existe a necessidade de um cadeirante passar pelo local, a escada se retrai, dando origem a um pequeno elevador.

Isto significa então que, quando não estiver em uso, o sistema Sesame não pode ser visto e a estética do edifício não é afetada. Uma vez ativado, o sistema recolhe as escadas existentes para revelar o elevador que pode ser programado para funcionar automaticamente ou com o toque de um botão.

Confira como o sistema funciona.

Este sistema seria a solução para acessibilidade de edifícios públicos, comerciais, e de condomínios residenciais brasileiros, já que por lei, todos devem proporcionar rampas de acesso com inclinações mais suaves, para que o cadeirante possa subir sem a ajuda de terceiros.

De acordo com a norma brasileira, a inclinação máxima para rampas é de 8,33% (inclinação suave), então, basicamente, para subir um metro seriam necessários 12 metros de rampa. Isso sem contar os patamares localizados nos extremos da rampa e patamares de descanso a cada 1,5 metros de elevação. Ou seja, para subir uma altura de dois metros seriam necessários no mínimo 28,5 metros de rampa, conforme a norma de acessibilidade.

Fonte: CicloVivo.

Leia mais:
Você repara na acessibilidade dos locais que frequenta?
Mobilidade: a responsabilidade é pública, privada e do cidadão
O que você faz pela mobilidade ao seu redor?
 






MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS Prêmio Consumidor Moderno

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS