Os principais mitos e verdades sobre storytelling

 Casos fictícios fizeram com que o hábito de as marcas contarem histórias se tornasse duvidoso

O famoso storytelling ganhou um estigma ruim quando algumas marcas foram desmascaradas ao contarem histórias românticas, mas não tão verdadeiras, como os casos do sorvete Diletto e sucos DoBem. No fim de 2014, o Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar) anunciou uma investigação sobre as ?historinhas? sustentadas por ambas as marcas. A Diletto foi obrigada a assumir que o italiano ?Nonno? Vittorio, supostamente o avô do fundador da sorveteria e criador das receitas originais, nunca existiu. A empresa alterou suas campanhas e eliminou o personagem. A Do Bem, que compra frutas processadas por grandes fornecedores ? mas afirmava que as laranjas usadas em seus sucos eram ?colhidas fresquinhas todos os dias e vêm da fazenda do senhor Francisco do interior de SP? ? também teve que se retratar.

Quando o assunto é vender um produto, uma ideia ou um serviço, saber contar histórias é fundamental. O mundo corporativo tem passado por diversas mudanças e aquele velho modelo de apresentação, frio e objetivo, sem conexão com a audiência, tem mostrado que nem sempre é o caminho mais eficaz. O que muitos profissionais questionam é se é possível estruturar uma história a partir de informações como dados estatísticos e números, ou ainda, se é possível inventar as informações da história para deixa-la interessante.

De acordo com Eduardo Adas, sócio da SOAP – empresa de comunicação especializada em consultoria para apresentações corporativas ? a forma tradicional da comunicação em negócios não entretém, não engaja e não motiva. Isso gera dispersão da audiência, o maior inimigo do apresentador.
?É possível construir uma história a partir de informações simples. Quando o público não se interessa pelo assunto, ele não participa, portanto, a história tem que conectar e atingir a audiência que você quer mover. Isso não é possível com qualquer história. Tem que ser uma história construída na direção dos interesses de seu público, usando ou não pessoas como protagonistas? explica o especialista da SOAP.

Abaixo, o especialista lista os principais mitos e verdades sobre o Storytelling:

1. Posso inventar uma história para ganhar a atenção do meu público, independente se as informações são verdadeiras ou não.
Mito. De acordo com Eduardo Adas, é aconselhável que na hora de contar uma história relacionada à empresa ou produto, sejam utilizadas informações verdadeiras. ?Mostre quais foram os obstáculos e o que você fez para superá-los ou conte como fez para melhorar os números da sua área. Certamente houve um processo para chegar ao resultado. Fale sobre ele?, explicas Adas. A história pode não ser extraordinária, mas mostrará que seu discurso se baseia em transparência e verdade.

2. Não é possível contar uma história a partir de números e dados.
Mito. Sempre é possível contar uma história, mesmo que seja a partir de números e dados estatísticos. ?Como você conseguiu chegar àquele resultado?, O que fará para melhorá-lo?,  O que há de novo?, São questionamentos possíveis de se fazer antes de construir uma história e contá-la?, diz Adas.

3. Se eu contar uma história, ao invés de apresentar somente dados, o público prestará mais atenção em mim.
Verdade. ?A ideia do storytelling é justamente engajar a audiência. Para isso, é preciso ficar claro para o público porque as suas informações são relevantes e como elas afetam o dia a dia, como elas interagem com a rotina dele?, explica Eduardo.

4. Uma apresentação é apenas mais uma apresentação.
Mito. É preciso entender que uma apresentação, seja ela em PowerPoint, Keynote, Prezi, ou qualquer apoio visual, não deve ser vista como apenas uma apresentação, mas, sim uma história com começo, meio e fim, ilustrada como se fosse um filme, com uma sequência de imagens que crie uma conexão emocional com a audiência. ?Certamente, o engajamento será maior do que se o executivo apresentasse friamente os números e dados estatísticos?, finaliza Eduardo Adas.

 

Leia mais:

Como o impacto social pode engajar consumidores?

Como nos apaixonamos pelo hábito de comprar?

As cinco maiores tendências de marketing para 2015






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS