Três dicas para ‘vender o seu peixe’ sem soar pretensioso

Vender a si mesmo, numa entrevista de emprego, ou seus produtos e serviços é mais do que convencer. É fazer com que seja memorável a cada interação

Fazer o próprio marketing é algo que soa mal para muitos, afinal, nada mais é do que alguém tentando te convencer a fazer algo que você não necessariamente quer ou precisa.

Mas é possível fazer isso de uma maneira menos violenta, mas não menos bem sucedida. É o que afirma Erika Andersen, colaboradora da revista Forbes, para os seus clientes.  ?Para começar, vamos falar sobre branding. Minha definição preferida é: ?Uma marca é a promessa de uma experiência?, diz.

Em outras palavras, uma boa marca deve deixar claro o que você terá e sentirá quando usar seu produto ou serviço. Algumas pessoas subestimam o poder da marca no marketing, mas para Erika ser claro sobre o que promete oferecer é a chave para o marketing íntegro.
E isso vale não apenas para o produto, vale também para a sua jornada de marketing pessoal. Veja aqui algumas dicas da profissional, que usa o conhecimento de seus clientes para aprender e também vender melhor a si mesma.

1. Seja peculiar

Em um ótimo artigo sobre como diagnosticar resultados ruins nos negócios, Jay Goltz oferece o seguinte conselho: “Muitas empresas ainda utilizam esta premissa:”. Vamos superar as suas expectativas “… Funcionou no começo, mas agora não mais. Vocês precisam superar as expectativas das pessoas, não com um lema pronto, mas com algo só seu. Deve dizer algo sobre a sua empresa que significa algo para clientes em potencial. Dizer “eu sou o melhor web designer em tal lugar”, ou “Eu projeto sites de sucesso mundial” não chama a atenção de ninguém. Seria mais útil e memorável dizer – especificamente – o que você faz melhor do que ninguém. Talvez seja “Eu projeto sites com navegação simples, rápidos, que são user friendly e fáceis de gerenciar”. Isso é a essência da criação de uma marca autêntica para si ou para o seu negócio: ser capaz de articular qual experiência , exatamente, você pode oferecer de maneira especial. Quanto mais claro você for, mais será capaz de distinguir-se de todos os outros que fazem a mesma coisa que você faz na mente dos seus clientes ou patrões em potencial.

2. Seja aspiracional, mas preciso
 
Se seus sites não têm uma navegação simples, rápida e não são fáceis de se auto-administrar, mas você diz às pessoas que é o que você vai entregar, isso é muito pior do que nunca ter prometido iss. Quando você diz que você é capaz de resolver um determinado problema ou proporcionar uma experiência particular, cria uma expectativa que, se não cumprida, destrói sua credibilidade (não só com essa pessoa, mas com todos as outras para quem essa contará sobre sua experiência).
Não há problema em ser um pouco aspiracional em sua marca e entrar no mercado com base no que você pode entregar quando você está no seu melhor,  mas para isso você tem que ser o seu melhor na maior parte do tempo. As pessoas podem ?pegar mais leve?mas não muito; se você diz, por exemplo, que é excepcionalmente bom em gestão de projetos complexos para a conclusão do prazo e do orçamento, e seus projetos são geralmente atrasados e acima do orçamento, não importa quantas vezes ou quão bem você o diga – você se coloca na categoria de “marketing fajuto”, e vai ser difícil tirar isso da cabeça das pessoas.

 

3. Foque na experiência tanto quanto no produto

Cada experiência consiste no produto ou serviço e na sensação que causa nas pessoas. Quando você esclarece a que veio, é importante decidir como você quer que as pessoas se sintam quando negociam com você. Alguns chamam isso de atributos de marca, que nada mais é do que a descrição de como as pessoas se sentem ao usar sua marca ou trabalhar com você.  Minha marca, a Proteus tem como atributos iluminadora, fortalecedora e confiável.

Portanto, quando os clientes interagem conosco, queremos que eles se sintam mais claros e fortes do que antes e confiando completamente no nosso trabalho em si mesmos e na relação construída. Para estabelecer seus próprios atributos de marca, pense em como você gostaria que seus clientes ou chefe se sentisse ao lidar com você. Mais uma cez, certifique-se se que seja algo peculiar, aspiracional, mas preciso. Provavelmente não é muito útil dizer que você quer que seus clientes sejam felizes (insuficientemente peculiar) e não é realista dizer que você quer que seus clientes ou chefe estejam ?maravilhados o tempo todo? (aspiracional demais e provavelmente impreciso).

Pense em como os seus clientes mais satisfeitos se sentiram e em suas características pessoais ? como os outros se sentem ao lidar com você em sua melhor forma? Você é tranquilizante? Energizante? Esclarecedor? Baseado nas suas reflexões, Aponte três ou quarto atributos que você gpstaria que seus clientes experimentassem ao tratar com você. Aliás, você pode usar essas qualidades como medida de quanto você consegue entregar enquanto marca e, assim, assegurar que a sua marca pessoal é memorável em cada interação.

* Via Forbes

 

Leia mais:

Content Marketing: por que, para quem e como?

Hora de investir em publicidade para dispositivos móveis

ROI nas redes sociais: como mensurar com sucesso?






ACESSE A EDIÇÃO DESTE MÊS:

ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS
ANUÁRIO Brasileiro de Relacionamento com Clientes

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS