Livraria Cultura: um lugar para estar

Livros, teatro, espaços de convivência. São muitas as opções oferecidas pela empresa

Você já visitou a Livraria Cultura? A disposição dos livros, o formato da loja e o atendimento dos funcionários são capazes de fazer com que o cliente se sinta a vontade. O serviço da companhia é de excelência. Mas, como ressalta Sérgio Herz, CEO da empresa, em palestra realizada no seminário A Era do Diálogo, hoje, a existência da loja física se confunde com o crescimento do ambiente on-line.

Assim, questionamentos relacionados à convivência pacífica entre o mundo digital e analógico são constantes. ?Ter um ponto de varejo é caro. Manter a mão-de-obra também. Assim, criar uma loja física com autosserviço é a melhor ideia. Mas, hoje, o autosserviço está, na verdade, nos gadgets ? celular, tablet, etc?, ressalta.

Tempo e dinheiro
Como destaca Herz, hoje, ?varejistas estão brigando pelo tempo do cliente?. Nesse sentido, ir a uma loja física, estacionar o carro, pagar pelo estacionamento são atitudes que, de uma maneira geral, demandam tempo e dinheiro ? recursos fundamentais para o consumidor.
Assim, é inevitável questionar sobre formas de engajar o cliente pela internet. ?Estamos trabalhando nisso?, diz o CEO. A Livraria Cultura é, então, um bom exemplo de conciliação: a empresa está presente no e-commerce desde 1995 e, nas lojas, deixam os consumidores livres, para que se sintam em um espaço de entretenimento.

Pode ser que…
A Livraria Cultura imagina algumas possibilidades relacionadas ao comportamento do consumidor. Assim, supõe que as pessoas querem ?uma vida com menos coisas e mais significado?.
Além disso, ressalta que vivemos em uma época de compartilhamento, mas também estamos inseridos em uma bolha de concordância criada pela mesma internet que possibilita a economia colaborativa ? isso porque os algoritmos indicam sempre caminhos parecidos. ?Está muito difícil descobrir algo novo, que tenha valor?, aponta Herz.

Cultura: como e para quem?
Uma das preocupações da Livraria Cultura, como modelo de negocio, é investir na integração entre físico e digital. Além disso, Sérgio ressalta investimentos em um novo perfil de profissional e eficiência logística ? fatores que tornam a atuação da companhia possível.
Livros são apenas alguns dos produtos fornecidos pela companhia. A empresa é, na verdade, um centro de cultura, um espaço de entretenimento. Por isso, disponibiliza espaços de café, teatro, restaurante, ambientes para crianças, debates, etc. Assim, exercitam sempre, como lembra o CEO, uma ?maneira nova de lidar com os clientes, todos os dias?.




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS