Inadimplência: ela te persegue ou é você quem não a deixa?

Uma em cada quatro pessoas está inadimplente na cidade de São Paulo, é o que revela um estudo inédito da Serasa Experian

Cada CPF paulistano negativado tem, em média, 3,2 dívidas em atraso e deve em média R$ 5.310,00. Para este estudo, foram avaliadas as dívidas atrasadas há mais de 90 dias e com valores acima de R$ 200,00 de quase 11 milhões de pessoas.

De acordo com os economistas da Serasa, há uma forte correlação entre a taxa de inadimplência e as pessoas que têm menor renda. Quanto menor a renda, maior a dificuldade de formação de poupança ou de ter um dinheiro extra para quando surge um imprevisto.

A Serasa da dicas para você sair do vermelho
*Coloque as contas na ponta do lápis
Avalie cuidadosamente as contas, de preferência coloque tudo no papel ou na tela do computador: qual sua renda mensal e quanto já está comprometido com despesas que não podem ser cortadas ou reduzidas? O objetivo desse processo é simples: descobrir o valor disponível mensalmente passível de ser utilizado no pagamento de dívidas. Uma planilha de orçamento doméstico pode ajudar, como esse modelo;

Leia também: Inadimplência do consumidor sobe no primeiro tri

*Não tenha receio de olhar para as dívidas que saíram do controle
Quanto você já pagou? Qual o valor devido? Lembre-se de que o total das prestações não deve ultrapassar o valor disponível de sua renda. Caso exista mais de uma pendência, tente negociar de forma que todas as prestações juntas caibam nesse orçamento. Estabeleça prioridades usando como critério as dívidas com juros mais elevados, como cartão de crédito e cheque especial, e renegocie a dívida;

*A nova dívida cabe no bolso?
O consumidor deve ouvir a proposta e, se não estiver de acordo, fazer uma contraproposta, considerando as contas feitas previamente. ?O importante é que, depois de renegociada, a dívida caiba no bolso do cidadão?, diz o superintendente do SerasaConsumidor, Júlio Leandro;

Leia também: Teste de educação financeira para mulheres

*Cumpra os novos prazos de pagamento até o final;

*Tenha clara sua real condição financeira no momento da renegociação
Quanto pode ser disponibilizado de seu orçamento para quitar a dívida atrasada? Existe alguma renda extra (venda de algum bem, bonificação salarial etc.) que lhe permita fazer uma proposta à vista?;

*Não tenha vergonha de pedir ajuda a alguém confiável
O processo de acertar as contas e pagar dívidas exige cuidado. Avalie quanto você pode pagar em cada pendência. Peça ajuda para parentes ou amigos de sua confiança. A presença de outra pessoa nesse momento ajuda a dar segurança na hora de avaliar de forma mais racional e isso colabora para definir quanto pagar, se a proposta do credor é boa e se é possível honrar o pagamento;

Leia também: 4 apps que podem te ajudar a cuidar melhor das finanças

*Corte gastos supérfluos
Para quem perdeu o controle dos gastos e passou a colecionar dívidas, uma maneira eficiente de resolver a situação, segundo os especialistas da Serasa, é fazer dinheiro. Dependendo do tamanho da conta, vender bens ? como carro e imóvel ? é uma saída viável. Porém, quando não há essa possibilidade, o recomendado é fazer cortes radicais na lista de consumo, separando o que é necessário do que supérfluo.

Fonte: Serasa Experian. 




Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS