Logística reversa na Adidas gera desconto para o cliente

Fazer com que um produto de sua marca seja descartado da maneira correta é difícil, mas uma andorinha está fazendo verão para os amantes das três listras

O que você costumava fazer com as roupas e os tênis que não usa mais está prestes a mudar. Isso porque, a partir deste mês, eles valem 15% de desconto em novos produtos nas lojas Adidas. A ação faz parte do programa Pegada Sustentável 2.0, que tem o objetivo de promover o descarte correto de roupas e calçados esportivos, a fim de reduzir os impactos no meio ambiente.

Até o final do mês de junho, as 41 lojas-conceito da marca em todo o país aceitarão os mais diversos tipos de peças: de tênis esportivos e camisetas, passando por calças, shorts à blusas de qualquer marca ou estilo.

?Em sua nova fase, o programa Pegada Sustentável chega fortalecido para posicionar a Adidas na área de sustentabilidade de produtos, um dos principais pilares estratégicos da empresa ao redor do mundo?, explica Gudrun Veronika Messias, gerente de Sustentabilidade da marca para a América Latina.

?Acreditamos muito na logística reversa como forma de transformar o usado em novo.  Este é o primeiro passo em direção a um ciclo fechado do produto. Agora, queremos incentivar nossos clientes a participarem desse processo, trazendo suas peças sem uso, de qualquer marca, para seguirmos com a construção desse caminho de consumo consciente?, finaliza a executiva.

O desconto nas novas compras para quem levar a roupa velha foi a forma que a empresa encontrou de estimular a participação do consumidor na chamada logística reversa, prevista na Política Nacional de Resíduos Sólidos. Os produtos descartados nas lojas pelos consumidores são transportados pela própria empresa até o seu centro de distribuição, aproveitando a operação de logística já existente, sem gerar novas emissões no deslocamento.

As peças e calçados seguem para uma entidade parceira da Adidas, a I:CO, especializada em gestão de ciclo de vida de calçados e roupas, onde ocorre o processo de triagem. Dependendo do estado em que se encontra, o produto terá um de três destinos possíveis: reciclagem, onde a matéria prima é aproveitada para fazer outra peça; reuso, que passa por higienização e retorno ao mercado de roupa usada; ou geração de energia, processo que o descaracteriza e depois transforma em combustível, servindo para alimentar fornos de cimento.

Com informações dos portais Exame e CicloVivo.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS