ONU cobra proibição de microplásticos em cosméticos

Quando escorrem pelo ralo, essas partículas não podem ser recolhidas para reciclagem, nem se decompõem em instalações de tratamento de águas residuais

De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma), as chances de que a elaboração de cosméticos e produtos de cuidados pessoais contenham pontos minúsculos de plástico são altas. Além disso, a quantidade já usada do produto poder equivalente a do plástico utilizado na fabricação da embalagem.
?Micropartículas e outros ingredientes de plástico estão presentes em produtos que vão desde pasta de dentes e gel de banho até sombras de olho e esmaltes de unha?, aponta o relatório do Pnuma intitulado ?Plástico em cosméticos: será que estamos poluindo o ambiente através de nossos cuidados pessoais??.

 ?As suas proporções variam em produtos diferentes, a partir de menos de 1% a mais de 90% do conteúdo. Em um típico gel de banho analisado em laboratório, foi encontrada aproximadamente a mesma quantidade de material de plástico no gel e na sua embalagem?.

Decomposição
Os microplásticos têm sido usados nesses produtos há 50 anos e quando escorrem ?pelo ralo, essas partículas não podem ser recolhidas para reciclagem, nem se decompõem em instalações de tratamento de águas residuais, inevitavelmente acabando no oceano global, onde se fragmentam e permanecem?. Esses plásticos podem levar centenas de anos para se degradar completamente.

O relatório, que foi lançado em junho, por ocasião do Dia Mundial dos Oceanos, recomenda uma abordagem de precaução para a gestão do microplástico, com uma eventual eliminação progressiva e a proibição da sua utilização em produtos de cuidados pessoais e cosméticos.






Acesse a edição:

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS