3 dicas para investir em imóveis nos EUA

A perspectiva positiva apontada pelo mercado imobiliário norte-americano tem atraído, cada vez mais, investidores brasileiros, seja para morar ou expandir seus negócios.

Por: - 4 anos atrás

As taxas de rentabilidade são superiores a outras modalidades de investimento, e com menor volatilidade. Como exemplo: aluguel residencial em Atlanta (EUA) rende 7,5% a mais contra aluguel residencial no Rio de Janeiro (3,8%). Outros índices também mostram retorno maior: FIF-RF (0,5%), LFT (1,0%), CDB-CDI 95% (1,4%) e Poupança (0,2%).

Sem dúvida, a aquisição de um imóvel nos Estados Unidos é um investimento isento de arrependimentos, entretanto, antes de ?mergulhar de cabeça? é preciso estar atento a algumas condições. Em primeiro lugar, é importante que o investidor esteja ciente de que, ao contrário do Brasil, as negociações devem ser feitas com a intermediação de um corretor, que tenha conhecimento do mercado local. A cultura de como fazer negócios no Brasil deve ser deixada de lado. Aqui vão mais algumas dicas do passo a passo para quem deseja diversificar os investimentos e apostar nesta alternativa:

 

1. Providencie a documentação necessária

O Passaporte deve estar com visto válido, com comprovação de renda financeira mediante extrato bancário ou aplicação financeira, que seja coerente com o valor do imóvel escolhido. Para a compra à vista, são necessários os seguintes documentos:
– Cópia do Passaporte: páginas 1, 2 e a de onde consta o Visto;
– Prova do valor da compra através de cópia de extrato bancário ou demonstrativo de aplicação financeira.

Para a compra financiada, os documentos solicitados são:

– Cópia do Passaporte: páginas 1, 2, 3 e a do Visto;

– Comprovante de residência;

– Conta bancária nos Estados Unidos;

– Carta do Contador;

– Cópia dos dois últimos anos do imposto de renda, PF e PJ, neste último caso se houver;

– Cópia dos três últimos extratos bancários;

– Prova dos valores, isto é, do valor da entrada e mais 6 meses correspondentes às prestações do financiamento em conta ou aplicação bancária nos EUA.

Importante: Todos os documentos devem estar traduzidos para o idioma Inglês, por um tradutor juramentado.

 

2. Saiba como fazer a remessa de valores para os EUA

A transferência de fundos para a compra do imóvel deverá ser feita dentro das regras do Banco Central do Brasil (BC). Uma conta bancária deverá ser aberta em nome da pessoa que efetuará a transferência e aprovada pelo BC para efetuar a operação. Nenhum imposto é devido para a transferência, nem por parte dos Estados Unidos, nem pelo Brasil. Existem empresas que processam esta transferência. Além dos bancos comerciais do relacionamento de cada investidor, indica-se o apoio de uma corretora americana capacitada, que apresente uma taxa de câmbio competitiva e com profissionais fluentes no idioma Português.

 

3. Financiamentos

Apesar das compras à vista possuírem condições mais atrativas, sim, é possível financiar. O financiamento para estrangeiros, no momento, está disponível em algumas instituições financeiras e nas seguintes condições:

– Entrada 30%-40% e 60%-70% financiado, em até 30 anos, com juros em média de 5% ao ano, dependendo do pacote. A taxa inicial será fixa nos primeiros cinco anos e depois reajustada anualmente;

– O investidor deverá ser aprovado pelo banco e as condições podem variar em função da instituição financeira e do imóvel. Importante: Nem todos os imóveis se qualificam para financiamento.

– Abertura de conta nos Estados Unidos:
? Cópia do passaporte;
?Comprovante de endereço;
? Depósito de, no mínimo, US$100.00.

Importante: A declaração de Imposto de Renda de Pessoa Física é um documento aceito pelos bancos como comprovação de renda.
E não se esqueça: durante todo e qualquer procedimento contrate um profissional qualificado e especialista em sua área de atuação (corretor, advogado e contador), para que os interessados tenham pleno conhecimento de todos os detalhes, riscos e custos antes de iniciarem o processo de investimento.

* Daniel Rosenthal é idealizador e diretor da Investir USA Expo.

 

LEIA MAIS:

Como a crise afeta o consumo dos brasileiros?

Empresas brasileiras precisam deixar o cliente reclamar?

Dólar: como superar uma das maiores altas?