7 dicas para viajar em segurança com seu animal

De carro ou avião, é importante preparar a mascote para o trajeto e levar seus pertences para ambientá-lo ao local da hospedagem

Segundo dados do IBGE, só o número de cães no Brasil supera o de crianças até 14 anos e que o gasto médio com compras online é de R$185 reais. O que demonstra que o brasileiro se preocupa com seu companheiro de quatro patas e está disposto a pagar por serviços de qualidade e que atendam as suas necessidades.

Ao viajar com os animais de estimação, uma das grandes preocupações é com a segurança do bichinho no  trajeto e se ele estará feliz e confortável na hospedagem temporária. Patrícia Ferreira, Coordenadora de Produtos da MAPFRE Assistance, explica que, assim como seus donos, cães e gatos também precisam levar suas malinhas e ainda é necessário ter atenção especial com o preparo da viagem.

?Levar os pets para viagens está tão comum que algumas companhias aéreas internacionais já disponibilizam até milhagem para animais de estimação. Mas o que todo proprietário precisa antes de seguir para o aeroporto é verificar as condições oferecidas pela companhia aérea escolhida e entender as exigências, como caixas de transporte de tamanhos específicos?, explica.

Para garantir a identificação, é importante que durante o transporte os animais estejam devidamente identificados (coleira com contatos) e que a caixa de transporte tenha suas portas reforçadas para evitar que abram e os pets se percam. ?Pensando na estranheza que uma viagem pode causar e considerando trajetos mais longos, para carros ou aviões é recomendado que a caixa tenha tamanho suficiente para que o animal fique em pé dentro dela e consiga dar uma volta em torno do corpo?, reforça.

Outra questão a ser levada em consideração pelos donos é que, já em alguns países como Estados Unidos, Inglaterra e Espanha, o uso de microchip na pele dos animais é obrigatório. A tecnologia, que funciona como um bilhete de identidade lido por um escâner, permite que os bichinhos sejam facilmente encontrados, por exemplo, caso se percam.

Patrícia avisa que em relação aos felinos, a atenção deve ser redobrada. ?É normal gatos serem ariscos e com o estresse da mudança tentarem escapar das caixas de transporte. Nesses casos, dê preferência às companhias aéreas que permitam o transporte do animal na cabine para sua própria segurança e, se possível, coloque um pano em volta da caixinha para o gato não ficar tão estressado, mantendo sempre a saída de ar aberta?.

 

Confira dicas para uma viagem tranquila:

?  Consulte as regras das companhias para o transporte de pets, em geral, são limitados a dois animais por voo

?  Verifique as tarifas adicionais e disponibilidade de voos com antecedência

?  Confira se, pelo porte do animal, ele precisará de caixa de transporte ou se poderá seguir em regime especial soltos, ao pé do dono

?  Para viagens de carro ou avião recomenda-se um jejum alimentar de seis a oito horas para evitar vômitos e enjoos durante o transporte

?  Água pode ser oferecida até 3 horas antes da viagem. Essa é uma forma de evitar vômitos e enjoos durante o transporte

?  Certifique-se de que o hotel em que se hospedará aceita pets, algum até oferecem kit para os bichinhos

?  Leve brinquedos, potinhos de água e comida e acessórios que ele costuma usar.

 

LEIA MAIS:

Animais em apartamentos: o que pode ou não?

Conheça a lista de alimentos mais tóxicos para os animais

Animais são prejudicados pelo tabagismo de seus donos






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS