Inovação sustentável na área de saúde é possível?

É possível ser sustentável e inovador na área da saúde no Brasil?

Por: - 4 anos atrás

Com tantos pontos negativos existentes nesse segmento no país, Wilson Pedreira Jr., diretor-executivo de Oncologia e Hematologia do Hospital Albert Einstein, explicou que inovação em saúde é baseada em produto e serviço. ?Esses dois pontos andam juntos. No passado, pensava-se apenas em tecnologia, medicamentos e equipamentos?.

A inovação em saúde tem um ciclo:

Integração ? conectividade ? acesso à mobilidade ? sustentabilidade. Esse ciclo é voltado ao cliente indivíduo e cliente sociedade.

?Em um cenário de futuro, a humanidade fica mais velha e, com isso, surgem problemas do envelhecimento. No Brasil, temos mais de 50% de sobrepeso e sedentarismo. Com o envelhecimento, temos a evolução das doenças crônicas que precisam ser tratadas?, comentou Wilson.

?As doenças crônicas são responsáveis por 70% dos gastos da saúde?

O diretor-executivo explica que, quando se fala em tecnologia da informação, a integração e a mobilidade são a visão do futuro. ?Targets de inovação para cada indivíduo especifico por meio da mobilidade genética. E a consumerização da saúde ? a informação disponível de maneira fácil obriga o profissional a se manter atualizado?.

Wilson cita a existência, importância e facilidade dos apps que fazem exames e consultas. ?Devices que identificam emergências e já tomam alguma atitude. Além da inteligência artificial na medicina, que é um auxílio à decisão e permite a simulação terapêutica?.

Ele explica sobre a telemedicina, um serviço médico à distância. ?Por meio dele, você tem acesso a uma capilaridade de especialidades. Precisamos incluir inovação nos processos de saúde e colocar o paciente como foco do atendimento, além da capilaridade Para fora de fora parar dentro?, finalizou.