Greve dos correios: orientações para o consumidor

Dicas da Fundação Procon-SP orientam o consumidor em relação a itens como e-commerce e contas a pagar

Funcionários dos Correios de São Paulo e Rio de Janeiro anunciaram uma greve durante esta semana. Para orientar o consumidor que possa ser prejudicado de alguma maneira pela paralisação dos serviços, a Fundação Procon-SP elenca algumas dicas importantes, especialmente em relação a produtos do e-commerce e contas a pagar

O consumidor que contratar serviços dos Correios, como a entrega de encomendas e documentos, e estes não foram prestados, tem direito a ressarcimento ou abatimento do valor pago. Nos casos de danos morais ou materiais pela falta da prestação do serviço, cabe também a indenização por meio da Justiça.

Em casos de ter adquirido produtos de empresas que fazem a entrega pelos Correios, essas são responsáveis por encontrar outra forma para que os produtos sejam entregues ao consumidor no prazo contratado.

Empresas que enviam cobrança por correspondência postal são obrigadas a oferecer outra forma de pagamento que seja viável ao consumidor, como internet, sede da empresa, depósito bancário, entre outras.

Não receber a fatura, boleto bancário ou qualquer outra cobrança, que saiba ser devedor, não isenta o consumidor de efetuar o pagamento. Se não receber boletos bancários e faturas, por conta da greve, o consumidor deverá entrar em contato com a empresa credora, antes do vencimento, e solicitar outra opção de pagamento, a fim de evitar a cobrança de eventuais encargos, negativação do nome no mercado ou ter cancelamentos de serviços.

 

LEIA MAIS:

Os direitos e deveres garantidos pelo CDC

Dívidas fazem consumidor sentir-se envergonhado

Metade das empresas respondem consumidor nas redes






ASSINE NOSSA NEWSLETTER

MAIS LIDAS

VEJA MAIS

ÚLTIMAS

VEJA MAIS

CM 256: Os vencedores do Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente

CM 255: Tudo o que você precisa saber sobre o consumidor na pandemia

Você já conhece as Identidades do consumidor?

VEJA MAIS