Como as crianças influenciam na hora das compras

Parece bobo, mas o comportamento dos pais no momento de consumir itens necessários pode mudar por completo na presença das crianças

Por: - 4 anos atrás

 
Uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas  (CNDL) com mães das 27 capitais que possuem filhos com idade entre dois e 18 anos, revela que seis em cada dez (64,4%) entrevistadas não resistem aos apelos dos filhos quando eles pedem algum produto considerado desnecessário, como brinquedos, roupas e doces. 

O percentual é mais expressivo entre as mães de meninas (68,9%) e entrevistadas das classes C, D e E (69%). O levantamento mostra ainda que, muitas vezes, nem é preciso que os filhos manifestem o desejo de ganhar um presente para recebê-lo: 59,6% das mães compram produtos não necessários para os filhos sem que eles peçam, apenas pelo prazer de vê-los usarem coisas que gostam. 

“O estímulo ao consumismo, não raro, começa dentro de casa. As mães querem sempre satisfazer seus filhos, o que é compreensível, mas a vontade de agradar as crianças não pode se sobrepor às condições do próprio bolso, ainda mais em tempos de crise. Além disso, essas atitudes podem dar exemplos ruins às crianças e dificultar um eventual ajuste financeiro quando necessário”, afirma a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

 “A obrigação de agradar e de proporcionar o melhor aos seus filhos faz com que parte das mães adote padrões de consumo diferentes para eles em relação ao restante da família”, completa a economista. 

Dados do estudo revelam ainda que três em cada dez mães consultadas disseram que mesmo comprando a maioria dos produtos que os filhos pedem, eles nunca se dão por satisfeitos e sempre pedem mais coisas. “Presentear um filho é uma demonstração de afeto. Por outro lado, a ausência de regras e de limites ao consumo é uma influência negativa para as crianças e adolescentes”, afirma o educador financeiro do portal ‘Meu Bolso Feliz’, José Vignoli.

Mais de um terço das mães se endividam por causa dos filhos

“Todas as mães, em algum momento, já tiveram de lidar com a culpa em relação aos filhos. Elas se perguntam se estão dando pouca atenção às crianças; se deveriam ser mais disciplinadoras ou, se estão dando bons exemplos e até mesmo se deveriam dizer ‘não’ com mais frequência. A pesquisa indica que os sentimentos e emoções familiares podem funcionar como gatilhos para o consumo, desnecessários”, afirma o educador José Vignoli.

A pesquisa entrevistou 843 mães das 27 capitais que possuem filhos com idade entre dois e 18 anos. A opção por entrevistar apenas as mães se justifica porque as crianças e adolescentes, dependendo da idade, não possuem fonte de renda. Outro motivo foi para manter um padrão, neutralizando as diferenças que um pai e uma mãe podem ter na relação com seus filhos. A margem de erro é de no máximo 3,4 pontos percentuais para um intervalo de confiança de 95%.

Confira o infográfico abaixo com os resultados da pesquisa. 
 
Com informação do portal SPC.